Barbaridades nos Aeroportos Americanos - Mai/02

Voltar

   Versão em Inglês
 

Se você ou alguém da sua família tem planos de ir visitar os EUA num futuro próximo, aconselho-o fortemente a continuar lendo este texto, onde descrevo as experiências que tive no Aeroporto de Los Angeles no ultimo dia 25/Fev/2002.

Meu nome é Ricardo A. E. Silva, sou Engenheiro Eletrônico, tenho vinte anos de formado e hoje me dedico a administrar os meus próprios negócios, no setor agropecuário. Ao longo dos meus 42 anos de vida viajei inúmeras vezes aos EUA, tanto em viagens de negócios como a turismo. No ultimo dia 24/Fev embarquei em Salvador com destino a Los Angeles, de posse do meu terceiro e ultimo visto para os EUA, emitido em Novembro/1999 e com validade ate Novembro/2009. 

Estava ciente do aumento nas medidas de segurança para viagens aos EUA, em função dos ataques de 11/Set, e já no Aeroporto do Galeão a mudança de rotina é facilmente percebida, mas jamais poderia imaginar o que aconteceria a seguir...

A partir de agora descrevo passo a passo o tenebroso e inimaginável pesadelo que experiencei :

Sábado 24/Fev - 16:00 hrs - Embarco em Salvador com destino a LA.

Domingo 25/Fev - 07:00 hrs - Chego no Aeroporto Internacional de LA, me dirijo ao controle de passaportes. O oficial que me atende olha os meus documentos por uns cinco minutos e me pede que proceda em direção a um órgão da Imigração chamado "Secondary 1 ". Primeira vez que isto acontece comigo, mas imagino que serei atendido por outro oficial para prestar esclarecimentos referentes a minha visita. "Medidas de segurança adicionais..." - pensei.

Domingo 25/Fev - 07:30 hrs - Um segundo oficial me pede que colete toda a minha bagagem e o acompanhe ao interior do Secondary 1. " A entrevista será la dentro..." - pensei mais uma vez. Doce ilusão. Ato continuo - sou brutalmente jogado dentro de uma cela de 2x2 m, toda a minha bagagem, dinheiro, documentos, pertences pessoais são confiscados, retiram o meu cinto e o cadarço dos meus sapatos. Meus protestos ( falo inglês fluentemente ) são respondidos com gritos e ameaças de agressão fisica e confinamento. Me empurram violentamente de cara para a parede, me revistam dos pés a cabeça e todos os meus pertences pessoais são revirados. Me põe mais uma vez contra a parede, sou fotografado, tiram minhas impressões digitais, e sou finalmente jogado numa sala imunda, fedorenta, sem ventilação e já apinhada de gente. Percebo, pela aparência deles, que todos já tinham passado pelo mesmo "ritual", e mesmo ainda atordoado pelas longas horas de vôo, pelo fuso horário e principalmente pela violência e ultrajante desrespeito aos direitos civis e humanos , constato o obvio - "Que entrevista que nada - sou um prisioneiro ! "

Domingo 25/Fev - 09:00 hrs - O ambiente é Dantesco - uma sala de 4x4 com cadeiras imundas e carpete preto igualmente imundo e mal cheiroso, com cerca de vinte pessoas la dentro, sem ventilação, com uma enorme TV de 50" ligada constantemente a todo volume. Gente cansada, faminta, doente, gente vomitando...preocupado com uma amiga que me esperava na saída do Aeroporto desde as 7 da manha, peço para fazer uma ligação telefônica. 

- "Shut up ! No phone calls ! " - tradução - " Cale a boca, ligações telefônicas não são permitidas! "

Domingo 25/Fev - 10:00 hrs - Preso, sem comunicação e sem a menor idéia do que aconteceria a seguir, percebo a incessante romaria de pessoas que chegam a nossa cela e me escandalizo - este mesmo tratamento é dado a mulheres, adolescentes, crianças e idosos - uma verdadeira barbárie ! Enojado, testemunho os oficiais americanos disputarem o privilegio de revistar as mulheres e adolescentes mais bonitas, sem a menor preocupação de esconder a sua luxuria dos seus respectivos pais, maridos ou irmãos, fazendo os seus comentários, convites, insinuações e declarações obscenas na frente dos mesmos.


- "Acabei de revistar um Latino nojento...agora é a minha vez de revistar esta Italiana gostosa..." - declaração de um oficial americano ao seu colega, referindo-se a esposa de um turista Italiano. O flagrante desrespeito fez o meu estomago revirar.....

Chutes, empurrões, gritos, ameaças, brutamontes fortemente armados despejam incessantemente sua prepotência, preconceito e arrogância no constante fluxo de turistas despejados na nossa pequena cela, cada vez mais cheia e com um mau cheiro insuportável...

Domingo 25/Fev - 14:00 hrs - Sou levado para uma "entrevista" quase surrealista com um dos oficiais de Imigração. Ele me "explica" que como o meu visto e todos os meus papeis estão legais e em perfeita ordem ele me daria duas opções :

- A primeira era assinar um documento onde eu "solicitava" o cancelamento do meu visto, retornando no primeiro vôo disponível para o Brasil.

- Caso eu me recusasse eu seria preso por tempo indeterminado e passaria por um processo de deportação compulsória para o Brasil. 

Detalhe importante - enquanto eu não assinasse o documento não receberia água ou comida. O que você escolheria ? Pois é. Eu também.

Domingo 25/Fev - 16:00 hrs - Eu e mais uns cinco "prisioneiros" somos retirados para uma outra sala. Somos todos algemados, e escoltados por policiais armados, nos fazem caminhar pelo aeroporto, sob os olhares dos turistas aterrorizados pela cena grotesca. Nos levam ate uma Van, estacionada na frente do aeroporto e nos transferem para uma cela em outro terminal. A humilhação é sufocante....

Domingo 25/Fev - 17:00 hrs - Aparentemente eles esqueceram de me fazer preencher alguns formulários no Secondary 1, e sou levado para mais dois passeios (um de ida e um de volta ) pelos saguões do Aeroporto. Aqueles passeios lembra ? De algemas e escoltas ?

Domingo 25/Fev - 18:00 hrs - Em função dos meus insistentes protestos, recebo autorização para fazer uma ligação telefônica. Ligo para um amigo advogado que mora em LA, na esperança que ele pudesse me tirar daquele inferno, mas a informação que ele me da é ainda mais surpreendente :

- "Ricardo, as instalações da Imigração no Aeroporto não são consideradas legalmente como solo Americano, então não posso invocar nenhum direito civil para te tirar dai..." - ele me diz. Que tal ?

Em português claro - constato que estou numa terra de ninguém, num lugar sem lei, detido por jagunços nazistas fantasiados de oficiais de Imigração, que em função desta brecha legal podem fazer literalmente o que quiserem com você, e o que é pior - com a sua família. Começo a sonhar com a hora de pegar um avião de volta para o Brasil...antes disto porem, ainda iria passar a pior noite da minha vida....

Noite de Domingo para 2a. - 26/Fev - Imagino a hora que o cansaço vai finalmente vencer e me fazer deitar naquelas cadeiras de plástico imundas. Faz muito frio e a perspectiva de usar aqueles cobertores pretos e pegajosos não é nada atrativa. Cinco policiais Americanos montam guarda, e, entediados, divertem-se chutando "chineses nojentos", xingando "pretos estúpidos", ameaçando "latinos babacas". Nossos algozes são incapazes de articular três palavras consecutivas sem a utilização de um palavrão, e passamos uma longa noite imersos neste mar de preconceito racial, prepotência, violência, arrogância e covardia. 

Nota curiosa : nossa cela possuía dois posters imensos pendurados na parede - vejam só - um era um enorme mapa do Brasil e o outro uma foto da cidade de Ouro Preto. Ambos pareciam emitir um convite silencioso mas eloqüente....

2a. feira - 26/Fev - 13:00 hrs - Depois das piores 30 horas da minha vida, dois policiais armados me conduzem ate o avião, entregam meu passaporte à comissária e montam guarda na porta do avião ate o momento da decolagem. Uma humilhaçãozinha de ultima hora.....

3a feira - 27/Fev - 07:30 hrs - Desembarco cansado mas imensamente feliz no Aeroporto do Galeão - RJ, e ligo para a minha namorada - a Sarah - em Belo Horizonte. Depois de passado o susto e das necessárias explicações a convido para celebrar o nosso inusitado reencontro com uma viagem. Para Ouro Preto - é claro !

Descrevo este infeliz episodio no intuito de trazer estas informações ao maior numero possível de pessoas. Talvez aqueles que, como eu, possam estar planejando uma inocente viagem a este pais pensem duas vezes antes de permitir que suas esposas, pais, mães, filhos e filhas sejam submetidos a esta infame tribo de bárbaros incivilizados. Diariamente, centenas de pessoas dos quatro cantos do mundo caem nas garras destes nazistas preconceituosos, medrosos e recalcados, e acho que cada um de nos deve contribuir da forma que souber ou puder para extirpar esta barbarie pela raiz.

O terrorismo internacional derrubou as duas torres do WTC, mas vitória muito maior ele alcançará se conseguir derrubar os valores e ideais que nortearam a América desde o seu nascimento como nação independente.

Já tendo visitado muitas vezes os EUA, e conhecendo com razoável profundidade a historia deste pais, devo dizer que as atitudes e métodos dos oficiais de imigração não refletem a forma de ser e pensar da maioria do povo americano, e definitivamente não refletem os valores e ideais a que me referi acima. Porém, a grande maioria dos milhares de turistas que a cada dia estão passando por estas humilhações nos Aeroportos americanos não tem esta perspectiva, e estão voltando para os seus países carregando com eles as sementes de ódio, violência e intolerância que acabam gerando tragédias como a de 11/Set.

Ao senhor G. Bush uma sugestão - na tentativa de erradicar o mundo do terrorismo e do "Eixo do Mal "comece em casa - no serviço de Imigração Americano.

Nota importantíssima : esta narração não estaria completa se eu não fizesse justiça ao Vitor - um dos oficiais de Imigração. Ele entrou na nossa cela na segunda de manha. Assim que pus os olhos nele percebi um brilho diferente, rapidamente explicado pelas suas atitudes - cuidava de um, dizia uma palavra de conforto a outro, alimentava e dava de beber a um terceiro, sempre pronto a ajudar, a pelo menos dar um sorriso, uma palavra amiga. Ele se movia como uma luz iluminando as trevas Tive o privilegio de conversar com ele por alguns minutos e transmitir a minha admiração, respeito e gratidão pelo trabalho que ele estava fazendo com aquelas pessoas submetidas a uma situação tão sofrida. Filho de imigrantes Mexicanos, educado na Índia e possuidor de uma espiritualidade impossível de esconder com olhos tão brilhantes, este homem que representa tão bem o que de melhor existe no Oriente e no Ocidente me disse - .." Ricardo, eu não faço muito...apenas tento transmitir a estas pessoas um pouco de compaixão, um pouco de amor..."

Que Deus te abençoe e te guarde Vitor, assim como você abençoa e guarda tanta gente. Ultima sugestão ao Presidente dos EUA - considere promover o Vitor ao Cargo de Ministro das Relações Exteriores - coisa que ele merece mais do que ninguém. Estou seguro que, em muito pouco tempo, ele mudaria da água para o vinho a surrada imagem dos EUA com os demais paises do mundo. A atitude dele reflete com perfeição o espírito e os valores que criaram a América e provam que não se combate o terrorismo tornando-se você também um terrorista, e sim com aquela velha técnica - mostrando a outra face.

Ricardo Abude E. da Silva

 

 

Mande o seu diário também, clicando na cartinha ao 
lado, e conte para outros internautas como foi a sua viagem