Dando o Mapa da Mina entre São Luís e Natal - Dez/02

Voltar

Natal, Rio Grande do Norte
Uma das mais bem-sucedidas interações entre cidade e natureza. Praias limpas e belíssimas. Um dos ares mais puros do mundo. Tranquilidade que só diminui nos animados forrós e bares. Simpatia de um povo que trata o turista como grande amigo.

O que fazer: Natal fica numa península entre o mar e o rio Potengi. Mesmo os hotéis mais simples fornecem mapas para sua orientação. Você pode começar seu passeio pela orla na pontinha da península, onde fica o Forte dos Reis Magos (R$2) que vale uma visita. Sendo uma das construções mais antigas do Brasil (1598), guarda uma atmosfera da Idade Média européia, apesar de sua construção já no Renascimento. De cima dele se avista todas as praias de Natal e ainda o rio. Foi dali que a cidade começou, num dia de Natal em 1599. Após ir ao forte você pode conferir perto dali a Praia do Forte e a Praia do Meio, com belíssimos arrecifes formando calmas piscinas naturais azuis e às vezes até cachoeiras conforme as ondas os atingem. Se quiser tomar um banho nestas "cachoeiras" procure não subir nas pedras mesmo que os locais estejam fazendo isso pois há lugares perigosos e o mar pode derrubar você. Seguindo pela orla rumo ao sul chega-se à Praia dos Artistas, que é bem animada, tem vários bares com música e bom surf. Ali fica ainda um Centro de Artesanato de onde é impossível sair sem levar nada pois tudo é muito rico, criativo e barato. Escolha uma bela garrafa de areias coloridas, por exemplo. A seguir, a Praia da Areia Preta é bonita de se ver de cima mas um pouco difícil para banhos. Mais ao sul, a partir do Farol da Mãe Luíza, fica a Praia Barreira d'Água, que é uma longa extensão de praia pouco explorada ao longo da Via Costeira e ladeada pelo Parque das Dunas onde há várias trilhas para se percorrer mas o acesso não é pela praia e sim pelo lado urbano, no final da Av. Alexandrino de Alencar. Finalmente, a afastada Praia de Ponta Negra é onde a galera "in" gosta de ir e onde o surf é ótimo. No final da praia está o Morro do Careca, uma duna espetacular de 50 gráus de inclinação terminando diretamente no mar. Todos estes locais são facilmente acessíveis de ônibus ou lotação a partir do Centro.

Num outro dia, vá a Genipabu, uma belíssima praia com um conjunto de dunas e de onde se avista boa parte do litoral norte, até o Cabo de São Roque. Você pode chegar lá de barco mais lotação. Também é possível ir de ônibus pelo continente, mas o barco é um passeio bem mais legal, saíndo próximo à Rodoviária Velha (aproveite para ver ali em frente o Teatro Alberto Maranhão). Compre então o bilhete do barco (R$0,50) e enquanto espera a próxima partida (de hora em hora), aproveite para ver a poucos metros dali os casarões da Rua Chile, incluindo a casa onde nasceu o poeta Câmara Cascudo. O barco vai deixá-lo na Redinha Velha, bem numa praia azul sem ondas que mais parece uma piscina. É um lugar super lotado mas bastante bonito. Dali você anda alguns metros até a Redinha Nova, mais vazia, de mar aberto e bom surf. Finalmente, da estradinha próxima à praia, um lotação (R$1) o levará até Genipabu. As diversões ali incluem passeios de buggy pelas dunas, por sinal já um pouco erodidas pelo constante movimento (R$10/15 por pessoa, dependendo da época). Você pode ainda descer a duna num skibunda (R$2) ou andar nas costas de um dromedário (R$10/pessoa), podendo até tirar fotos vestindo um figurino árabe (!) que faz parte do pacote. Para voltar, você pode pegar os ônibus direto para o Centro ou fazer o percurso inverso. Note que o último barco volta às 18h00.

À noite, há uma boa cena de bares variados tanto na Praia dos Artistas quanto da Ponta Negra. Para um forró, confira o Zás-Trás na Rua Apodi, 500, com shows e aulas de dança para a platéia; ou o divertido-apesar-do-nome Forró com Turista, nas noites de quinta no Centro de Turismo, no fim da Rua Aderbal Figueiredo. Finalmente, a moderna Catedral, na Av. Deodoro, Centro, também é digna de nota.

Onde ficar: O Centro é bom pela facilidade de transporte e comércio, mas talvez você prefira ficar mais próximo da praia. No Centro, a melhor pedida é o Hotel Natal, na Av. Rio Branco, 740, fone 84-222 2792 (a partir de R$10/16 uma/duas pessoas com café), ou o Hotel São Paulo, Av. Rio Branco, 697, fone 84-211 4130 (R$10/pessoa). Na Praia de Ponta Negra, há dois albergues: o Lua Cheia, R. Dr. Manoel A B. de Araújo (84- 236 3696) e o Verdes Mares, R. das Algas, 2166, Conj. Alagamar (84- 236 2872). Na Praia dos Artistas, há a Pousada Atlântica (Av Café Filho, 830, fone: 84- 202 5309) com quartos com vista para o mar a R$14/18, uma/duas pessoas e o Hotel Pousada Marina, de padrão mais alto mas com alguns quartos a R$25/duas pessoas. Ao procurar hotéis nesta área, lembre-se que a prostituição corre solta na avenida e alguns hotéis podem não ser exatamente para turistas.

Pé na Estrada: Há partidas diárias tanto de ônibus quanto de avião de Natal para quase todas as capitais. Para Fortaleza (R$28, 9 horas) , ou Aracati/Canoa Quebrada (R$18, 7 horas) há inclusive ônibus noturnos. Para João Pessoa, a viagem é curta (R$8, 2 ½ horas). Preste atenção ao fato de que os ônibus de longa distância partem da Rodoviária Nova, a 6 km do Centro. Para ir ao litoral norte, você pode pegar um ônibus na Rodoviária Nova, enquanto que os lotações partem de vários lugares como por exemplo o Posto Igapó na saída norte da cidade, do bairro do Alecrim e do Centro. Portanto, o melhor é obter informações frescas quando você for (no seu hotel, por exemplo). Para ir ao litoral Sul: há várias partidas diárias da rodoviária nova cobrindo o trecho até Búzios, passando por Pirangi do Norte e do Sul e outras praias. Se você já estiver hospedado em Ponta Negra, esse trecho estará bem próximo e vários lotações o levam e trazem. Para ir a Tibaú do Sul e à Praia da Pipa: a Transul tem várias saídas diárias (R$3,50 1 ½ hora). Você pode também pegar um ônibus até Goianinha e de lá um dos frequentes lotações (R$1) até Tibaú e Pipa. Finalmente, você pode considerar ir a Fortaleza de buggy, que acaba sendo a forma menos difícil de conhecer o remoto litoral da Costa do Sal, levando uma semana e passando por dezenas de praias. Os preços são salgadíssimos, mas se você estiver num grupo de no máximo 4, viajando na baixa temporada e ainda for bom de pechincha, você pode conseguir algo em torno de R$100/pessoa. Considere a idéia, pois ali as praias realmente serão desertas e inexploradas. Antes de fechar o negócio, pergunte sobre o preço das pousadas em que o buggy vai parar no caminho e se você vai poder escolhê-las. Na Praia dos Artistas há várias agências que organizam esse passeio.

Sérgio C.T. Barros

 

 

Mande o seu diário também, clicando na cartinha ao 
lado, e conte para outros internautas como foi a sua viagem