Amazônia - Dez/00

Voltar

Fazer turismo na Amazônia é sempre uma aventura. Seja nas ilhas, nas praias ou no meio da selva. A emoção está em todo lugar.

A Amazônia, que, historicamente, sempre esteve associada á natureza, constitui-se numa das últimas reservas mundiais de recursos naturais e florestais e um dos ecossistemas mais ricos e preservados do planeta, especialmente por sua biodiversidade.

Nessa perspectiva, o interesse pelas questões relacionada á conservação do meio ambiente, confere á Amazônia um papel de destaque, nos cenários nacional e internacional, por congregar todos os elementos naturais necessários ao sucesso de qualquer programação de ecoturismo.

A Amazônia é o maior bioma terrestre do planeta, cuja área avança em 9 países da América Latina (Brasil, Paraguai, Bolívia, Peru, Equador, Colômbia, Venezuela, Guiana Francesa e Suriname). A bacia hidrográfica do Amazonas ocupa uma área de 7.050.000 km3. 

Em termos geopolíticos a Amazônia legal brasileira ocupa 60 % do território nacional. Apesar de ser o maior estado brasileiro, possui a menor densidade demográfica humana, com menos de 10 % da população do pais.

A Amazônia é um dos mais preciosos patrimônios ecológicos do planeta. É na realidade um grande Bioma, composto por diversos ecossistemas interagindo em equilíbrio. 65 % de toda a área amazônica é composta pela floresta tropical úmida de terra firme, sendo que o restante é constituído por matas de cipó, campinas, matas secas, igapós, manguezais, matas de várzeas, cerrados, campos de terra firme, campos de várzeas e matas de bambu. Toda a rede de rios, córregos, cachoeiras, lagos, igarapés e represas constituem os ecossistemas aquáticos da Amazônia. 

A bacia amazônica é um dos locais mais chuvosos do planeta, com índices pluviométricos anuais de mais de 2.000 mm por ano, podendo atingir 10.000 mm em algumas regiões. Durante os meses de chuvas, a partir de dezembro, as águas sobem em média 10 metros, podendo atingir 18 metros em algumas áreas. Isto significa que durante metade do tempo grande parte da planície amazônica fica submersa, caracterizando a maior área de floresta inundada do planeta, cobrindo uma área de 700.000 Km2.

A Amazônia é a maior floresta do mundo, representando 35 % de toda as florestas do mundo. É considerada também uma das mais antigas coberturas florestais, permanecendo estabilizada a cerca de 100 milhões de anos.

O rio Amazonas é o maior e mais largo rio do mundo e o principal responsável pelo desenvolvimento da floresta Amazônica. O volume de suas águas representa 20 % de toda a água presente nos rios do planeta. Têm extensão de 6.400 quilômetros, vazão de 190.000 metros cúbicos por segundo (16 vezes maior que a do rio Nilo), conta com mais de 1.000 afluentes. Sua largura média é de 12 quilômetros, atingindo freqüentemente mais de 60 quilômetros durante a época de cheia. Na foz, onde deságua no mar, a sua largura é de 320 quilômetros. A profundidade média é de 30 a 40 metros. As áreas alagadas influenciadas pela rede hídrica do Amazonas, formam uma bacia de inundação muito maior que muitos países da Europa, juntos. Apenas a ilha do Marajó, na foz do Amazonas, é maior que a Suíça.

A Amazônia é um dos poucos redutos do planeta onde ainda vivem povos humanos primitivos. As dezenas de tribos ainda existentes espalham-se em territórios dentro da mata, mantendo seus próprios costumes, linguagens e culturas, inalterados por milhares de anos. Antropólogos acreditam que ainda existam povos primitivos desconhecidos, vivendo nas regiões mais inóspitas e inacessíveis.

Oficialmente existem dois parques nacionais na Amazônia brasileira, o Parque Nacional do Tapajós e o Parque Nacional do Pico da Neblina. O primeiro, com 1 milhão de hectares de floresta tropical úmida, e o segundo com extensão de 2.200.000 hectares. O parque do Pico da Neblina se une ao parque Serrania de la Neblina, na Venezuela, com 1.360.000 hectares, formando em conjunto um dos maiores complexos bióticos protegidos do mundo.

Os impactos resultantes da exploração humana da Amazônia são muitos. O desmatamento e as queimadas para a formação de pastos para o gado tem destruído imensas áreas de florestas virgens todos os anos.

Nesse sentido, o turismo - e, principalmente, o segmento de turismo - desponta como uma das alternativas de desenvolvimento sustentável para a Amazônia, pois, se bem planejado, é capaz de minimizar os impactos ambientais, além de apresentar um potencial multiplicador significativo, em termos de geração de emprego e renda. 

Os pólos de ecoturismo na Amazônia :

- ESTADO DO ACRE: COMPREENDENDO OS MUNICÍPIOS DE RIO BRANCO, PLÁCIDO DE CASTRO, XAPURI E PORTO ACRE; 

- ESTADO DO AMAPÁ: QUADRILÁTERO COMPOSTO PELOS MUNICÍPIOS DE SANTANA, MACAPÁ, ITAUBAL, PORTO GRANDE, AMAPARI, SERRA DO NAVIO, FERREIRA GOMES, CUTIAS, TARTARUGALZINHO E PRACUÚBA; 

- ESTADO DO AMAZONAS: INTEGRADO PELOS MUNICÍPIOS DE MANAUS, PRESIDENTE FIGUEIREDO, BARCELOS, NOVO AIRÃO, MANACAPURU, IRANDUBA, CAREIRO, CAREIRO DA VÁRZEA, AUTAZES, ITACOATIARA, SILVES E RIO PRETO DA EVA; 

- ESTADO DO MARANHÃO: LITORAL OCIDENTAL DO ESTADO, CONSTITUÍDO PELOS MUNICÍPIOS DE CURURUPU, APICUM-AÇU, CEDRAL, BACURI, GUIMARÃES, MIRINZAL E PINHEIRO (ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DAS REENTRÂNCIAS MARANHENSES); 

- ESTADO DO MATO GROSSO: AMAZÔNIA MATOGROSSENSE, INCLUINDO OS MUNICÍPIOS DE JUÍNA, APIACÁS, JUARA, PARANAÍTA, ALTA FLORESTA, GUARANTÃ DO NORTE E PEIXOTO DE AZEVEDO; 

- ESTADO DO PARÁ: TAPAJÓS, COMPOSTO DOS MUNICÍPIOS DE SANTARÉM, MONTE ALEGRE, ÓBIDOS, ALENQUER, ORIXIMINÁ (MARGEM ESQUERDA DO RIO AMAZONAS), BELTERRA E AVEIRO ( MARGEM DO RIO TAPAJÓS E BR-163); 

- ESTADO DE RONDÔNIA: COMPREENDENDO OS MUNICÍPIOS DE PORTO VELHO, GUAJARÁ MIRIM, VALE DO GUAPORÉ, TENDO COMO BASE DE APOIO O MUNICÍPIO DE COSTA MARQUES; 

- ESTADO DE RORAIMA: ABRANGENDO O NORTE DO ESTADO, INTEGRADO PELOS MUNICÍPIOS DE BOA VISTA, AMAJARI, PACARAIMA, UIRAMUTÃ E NORMANDIA;

-ESTADO DO TOCANTINS: REGIÃO DA ILHA DO BANANAL (MUNICÍPIOS DE CAZEARA E PIUM), ONDE FOI CRIADO O PARQUE ESTADUAL CÔCO-JAVAÉS, INTEGRANTE DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL IIHA DO BANANAL/CANTÃO. 

Mais Fotos:
- Foto 1  - Foto 2  - Foto 3  - Foto 4  - Foto 5  - Foto 6
 
 
Reportagem : Marcelo Russo

Voltar