Chapada dos Guimarães - MT

Voltar

"Um roteiro maravilhoso com montanhas e cachoeiras imperdíveis!!! "

A poucos quilômetros de Cuiabá, o turista começa a sentir a amenidade do clima. A beleza de Chapada aparece ao longo do imenso paredão azul dos contornos da serra. No trajeto que liga a Capital Matogrossense à cidade de Chapada vê-se revoadas de sanhaços e rolinhas, passo preto e perdizes. As siriemas atravessam a estrada e fazem breves vôos; não raro, as emas também surgem no cerrado. É constante o cheiro do mato e o visual bonito. A apaixonante quietude faz com que o turista se surpreenda no silêncio, mergulhando em agradável evocação.

Fica no interior do Mato Grosso, num ponto eqüidistante entre o Atlântico e o Pacífico, como cantou Caetano Veloso e Tetê Spíndola entre inúmeros brasileiros e estrangeiros que já desvendaram o Centro-Oeste brasileiro.Igualmente longe dos dois oceanos ,1.600 km de cada um, se fosse traçada uma linha imaginária , esse planalto do cerrado também preserva histórias de índios e de estrelas coloridas e brilhantes que, segundo relatos de muitos de seus moradores, aparecem "num claro instante" para comprovar que os discos voadores não somente existem como adoram circular por ali.

O Parque Nacional de Chapada dos Guimarães é uma área de 33 milha, abrangendo o Rio Mutuca até o Morro São Gerônimo. Foi implantado em 12 de abril de 1989. A beleza do Parque não passa despercebida, onde se pode apreciar belíssimas cachoeiras, extensos vales e formações megalíticas.

 Verdadeiro patrimônio histórico-cultural para as riquezas arqueológicas. Lá estão sítios arqueológicos onde podem ser encontradas inscrições feitas por homens há milhares de anos e até ossadas de animais pré-históricos. Sob forma de abrigos-sob-rocha e dólmens, encontram-se entre os que possuem pinturas e gravações rupestres, os seguintes sítios: Lapa do Frei, Chapéu-do-Sol, Casa de Pedra, entre outros.

Fundada em 1779, foi rebocada e caiada com Capela-Mor, Sacristia, e casa para os parocos, pregada à mesma igreja. Com o passar do tempo, houve modificações internas e externas, todavia, ainda se conserva em grande parte a autenticidade do monumento que desperta a atenção dos viajantes que passam pela Chapada. Ainda se conserva a imagem de Santa Ana do Santíssimo Sacramento, Santo Inácio de Loyola e São Francisco Xavier.

 
Na Chapada sopra no ar o aroma sublime das flores perfumadas do cerrado, uma suave brisa nos toca o corpo, com um clima de 860 metros acima do nível do mar. Os muitos "canyos" que se formam ao longo da Chapada atraem os amantes da natureza, que vislumbram no lugar os efeitos erosivos ocorridos há milhões de anos, onde se afirma já ter sido um grande mar, pois é possível encontrar centenas de conchas petrificadas, nos mais diferentes lugares, o que comprova a veracidade da tese.

 
Chapada dos Guimarães é um lugar onde o tempo se forma na estrutura de suas rochas e se projeta sobre a extensão dos seus mirantes a contemplar o infinito.Uma importante relíquia histórica da Chapada é a Igreja de Senhora Santana do Santíssimo Sacramen- to, que fica num larguinho que leva o estranho nome de Praça Dom Wunibaldo. Nos ban- cos da pracinha, moradores e visitantes se reúnem todas as noites, depois de um dia inteiro suado na lida do gado (como é o caso dos sertanejos) e nas caminhadas (como é o caso dos aventureiros), para prosear até o sono aparecer. Na pacata Chapada dos Guimarães convivem em harmonia gente da terra, místicos e todo tipo de aventureiros, de trekkers a balonistas que, nos últimos meses, têm aparecido com freqüência cada vez maior nos céus da Chapada.

Existem lugares que impressionam pura e simplesmente pela grandiosidade de sua paisagem, perfeita para uma fotografia. Mesmo assim, ainda conquistam pelos detalhes: a terra vermelha, a planta, o som do passarinho, do vento ou do coração batendo forte diante de toda essa visão..." Guia 360 graus.

 

Reportagem : Yoko Nakamura

Voltar