Parque Nacional da Serra da Capivara – PI - Abr/04

Voltar

O Parque Nacional da Serra da Capivara, declarado Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco, foi criado para preservar um dos maiores tesouros arqueológicos do mundo – milhares de inscrições pré-históricas com até 12 mil anos gravadas em paredões de rocha. As pinturas representam aspectos do dia-a-dia, ritos e cerimônias dos antigos habitantes da região, além de figuras de animais, alguns já extintos. Nas escavações realizadas na Serra da Capivara, os pesquisadores encontraram ferramentas, restos de utensílios de cerâmica e sepultamentos. Pesquisas sobre as descobertas feitas na área levaram arqueólogos a acreditarem que o homem teria habitado o continente americano há mais de 30 mil anos, contrariando as teorias mais aceitas pelos cientistas. As pinturas rupestres e os objetos achados podem ser vistos em alguns dos sítios arqueológicos abertos à visitação, entre os mais de 500 existentes no parque.

O Parque Nacional da Serra da Capivara é administrado pela Fundham (Fundação Museu do Homem Americano) em parceria com o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Oferece ótima estrutura para visitas, com trilhas demarcadas e guias especializados. Na cidade de São Raimundo Nonato, fica o Museu do Homem Americano com acervo montado a partir das peças encontradas nas explorações arqueológicas realizadas na área do parque.

ARQUIVO HISTÓRICO:
Desde 1970 uma equipe franco-brasileira vem realizando um programa de pesquisas nesta área. A equipe interdisciplinar é formada por pesquisadores de instituições brasileiras e francesas oriundas de diversas universidades. Os trabalhos inicialmente consagrados à pré-história, hoje se concentram nas relações do Homem e Meio no sudeste do Piauí, da pré história aos dias atuais. Em dezembro de 1991 a UNESCO declarou o Parque da Serra da Capivara Patrimônio Cultural da Humanidade. O Museu do Homem Americano (FUMDHAM) congrega as diversas riquezas da região compondo um importante centro de Cultura e Pesquisa.

Os principais objetivos do Parque, que recebe apoio do IBAMA, são:
1) proteção dos sítios arqueológicos
2) preservação das extensas zonas de caatingas primárias

A pesquisa arqueológica revelou dados importantes sobre o povoamento das Américas. Demonstrou-se que, ao contrário do que afirma a teoria clássica antiga, o homem penetrou no continente americano muito antes de 30.000 anos como afirmavam os pesquisadores. Esta descoberta gerou uma polêmica científica internacional que continua em discussão. Escavações no sítio Toca do Boqueirão da Pedra Furada permitiram a descoberta de vestígios que foram datados pela técnica do carbono 14, alcançando até 48.000. Restos de pinturas foram encontrados em camadas tão antigas, que representam as primeiras manifestações de arte pré-histórica americana. As escavações, sondagens e coletas de superfície forneceram abundante material sobre as atividades de populações que ocuparam a região há cerca de 50.000 anos até a chegada dos colonizadores brancos. Atualmente estão mapeados mais de 345 sítios dos quais 240 com pinturas ou gravuras rupestres.

Curiosidade Científica:
Realizou-se o mapa geomorfológico do Parque, e uma vasta fauna fóssil foi encontrada: mastodontes, cavalos, lhamas, preguiças e tatus gigantes conviveram com o homem por volta de 12.000 anos atrás, e somente desapareceram quando o clima começou a mudar e a umidade diminuiu.

INFRA-ESTRUTURA

O Centro de Visitantes do parque fornece orientação de como fazer as vistas, além de indicar os guias especializados, que obrigatoriamente acompanham os turistas nas caminhadas. Nas proximidades do parque há pousada, albergue estudantil e área de camping. São Raimundo Nonato, a cidade mais próxima, oferece outras opções de pousadas simples. Os restaurantes da região são simples. Alguns oferecem pratos regionais, como os preparados com carne de bode. Ingrediente quase desconhecido no resto do país, é muito utilizado no sertão nordestino.

COMO CHEGAR
O principal ponto de referência para o acesso ao parque nacional é a cidade pernambucana de Petrolina, a 350 km, onde há aeroporto que opera com vôos regulares. Dessa cidade e também de Teresina, que fica a 510 km, saem ônibus para São Raimundo Nonato. Agências de turismo especializadas em ecoturismo costumam oferecer pacotes completos para visitas à Serra da Capivara.

As visitas são feitas a pé ou com veículos especiais. Os 48 sítios arqueológicos com passarelas que facilitam a observação das pinturas rupestres podem ser visitados percorrendo-se 14 trilhas predeterminadas. Algumas são longas e atravessam terrenos de difícil acesso. A Toca do Boqueirão da Pedra Furada apresenta inscrições de vários períodos pré-históricos em um paredão com 70 m de largura. No Sítio do Meio, além das pinturas, os arqueólogos encontraram vestígios de instrumentos usados pelos antigos habitantes, como objetos de pedra lascada e fragmentos de cerâmica. Também merecem destaque o Baixão das Andorinhas, onde todo final de tarde há uma revoada de andorinhas, e o Desfiladeiro da Capivara, que era usado como passagem pelas antigas populações locais.

A formação que mais impressiona é a da Pedra Furada, uma abertura de 15 metros de diâmetro num paredão com mais de 60 metros de altura, o cartão-postal do Parque. A fauna e a flora são ricas e representativas da região. Jaguatiricas, tatus, mocós, seriemas, onças, gatos-do-mato, serpentes e morcegos convivem com mandacarus, xique-xiques, juazeiros e aroeiras.

As pesquisas na Serra da Capivara provocaram uma revisão da história do homem no continente americano. Seguindo a tendência mundial, os visitantes já podem participar de escavações guiadas, ajudando a desvendar os mistérios desse mundo perdido.
 
Reportagem : Marcelo Russo

Voltar