Turismo de saúde e mistíco - Fev/04

Voltar

Introdução
Turismo de saúde e esotérico é uma das maneiras de inspiração da humanidade. Ele é a combinação harmônica do desejo pessoal de descansar, aprender novos ensinamentos no mundo exterior e descobrir a sua essência e seu lado espiritual

O presente trabalho tem por objetivo apresentar os lugares em que o turista procura esse tipo de descanso, também relatando experiências de pessoas que praticam este tipo de turismo.

1 - Conceitos

1.1 - Turismo esotérico
A palavra "esotérico" vem da língua Grega, e a sua tradução significa "interior". Desta maneira Turismo Esotérico pode ser classificado como uma "Viagem Espiritual", ou seja, uma viagem motivada pela necessidade humana de relaxar e se auto-conhecer, em um ambiente que permita ao turista entrar em contato com a sua espiritualidade, através de um trabalho acompanhado por profissionais que saibam como fazer florescer no turista este seu lado espiritual.

Turismo Esotérico é uma das maneiras de inspiração da humanidade. Ele é a combinação harmônica do desejo pessoal de descansar, aprender novos ensinamentos no mundo exterior e descobrir a sua essência e seu lado espiritual. O homem precisa relaxar e estando com pessoas que sabem como trabalhar com o seu lado espiritual, ele começa a criar inspiração e conhecimento. Como resultado, sua vida, sua esfera emocional, sua mente começa a mudar, ele torna-se saudável, seu trabalho começa a florescer. Descobrindo a sua essência o homem torna-se um mestre de seu próprio destino, sua vida torna-se feliz e ele, repleto de força. Este é o real propósito e valor da existência humana

Por esta razão, o Turismo Esotérico é desenvolvido em locais onde o turista possa ter contato com conhecimentos de antigas civilizações, ou novas linhas de pensamento e onde possa inclusive ter a oportunidade de participar de rituais místicos.

1.2 - Turismo de saúde
O conjunto de atividades turísticas que as pessoas exercem na procura de meios de manutenção ou de aquisição de bom funcionamento e sanidade de seu físico e de seu psiquismo chama-se turismo de saúde, turismo de tratamento ou turismo terápico. Praticado por pessoas que necessitam realizar tratamentos de saúde e, por isso, procuram locais onde existiam clinicas médicas especializadas. Como exemplo desse tipo de turismo, Cuba é um destino de saúde por excelência, graças a seus avanços científicos e suas nova técnicas em todas as especialidades da medicina.

2 - Sete dias em um Spa
Uma temporada num spa vem "fazendo a cabeça" de muita gente ultimamente, seja para perder alguns quilinhos , desintoxicar ou minimizar o stress das grandes cidades. Passar um tempo nestes lugares pode ser muito bom para o corpo e para o espírito!

A primeira idéia que se tem é de um local onde ingerimos umas míseras calorias por refeição, somos vigiados como se estivéssemos num campo de concentração, tem-se alucinações de fome e fazemos qualquer negócio por um contrabando de leite condensado em um pote de xampu. Mas na realidade existem lugares muito agradáveis, onde tudo conspira para que você perca alguns quilos e excelente para se "recarregar as baterias" antes de você partir para outros lugares em suas férias.

Quando você decide ir a um spa seja por vaidade ou necessidade o primeiro susto quando chega é que encontra pessoas comuns, adolescentes e magros. Longe daquela idéia que encontraria colegas com mais de 150 quilos, encontramos pessoas que estão 02 ou 03 quilos acima de seu peso normal.

Neste começo de milênio, nunca foi tão importante cultuar a saúde. O número de academias aumentou assim como o número de pessoas que procuram o serviço de personal trainer para dar um atendimento personalizado . Os alimentos se tornam cada vez mais light e diet, procura-se introduzir alimentos naturais sem agrotóxicos e conservantes, aumentando corpo bonito e malhado ou por algum problema de saúde que costuma aparecer com uma rotina sedentária.

Alguns Spas são parecidos com um Hotel cinco estrelas, outros mantêm uma estrutura mais simples nos quartos, mas na filosofia eles se assemelham muito, com uma base de 600/700 calorias onde você passa o dia entre as atividades esportivas e recreativas e vai para cama literalmente "quebrado", principalmente se você sedentário como eu. Mas se quiser apenas desintoxicar o organismo ou relaxar mantendo o peso atual pode dobrar a quantidade de calorias ingeridas informando na recepção seus objetivos.

O dia no Spa normalmente começa cedo: 07 horas da madrugada com um café da manhã bastante aquém do que habitualmente você deve estar acostumado.Depois disto, sempre uma longa caminhada matinal (exercícios aeróbicos normalmente auxiliam na perda de peso) seguida de outras atividades físicas até a hora do almoço. Normalmente água, café e chá estão à vontade para ingestão do cliente.

No almoço, outra surpresa te espera, um prato multicolorido com legumes e verduras e uma pequenina porção de peixe, carne ou frango. Você deve comer bem devagar para prolongar aquela sensação prazerosa de degustar algo. Um merecido descanso para preparação às atividades da tarde (vôlei, hidroginástica, futebol,etc) seguido de um caminhada antes do jantar. Aqui você não pode ficar parado, são várias atividades ao longo do dia e assim você até esquece da fome.

À noite chega com um jantar à luz de velas muito bonito e um prato de 232 calorias. Quando você vai para a cama, suas pernas pesam mais que todo o seu corpo e o resultado é que você nem se lembra mais daqueles inúmeros documentos em cima da sua mesa de escritório, dormindo feito um anjo um sono pesado e regenerativo.Outra coisa a se ressaltar é que a comida do spa é excelente, não sei se somos induzidos por causa da fome, mas cada alimento tem um sabor muito especial.

Outra coisa que normalmente surpreende é a quantidade de quilos perdidos, porque normalmente a pessoa que vai a um spa imagina que se comprometem a fazer vários sacrifícios, porém desejam resultados quase impossíveis de se alcançar em uma semana.

A culpa se deve a algumas revistas da moda que contam histórias maravilhosas sobre pessoas que perderam 10 ou 20 quilos num spa.

Tudo depende do metabolismo de cada organismo porém a média de peso perdido é de 400 gramas por dia para quem faz todas as atividades e não traz comida escondida de casa.

Se o seu objetivo for perder peso, descansar e desintoxicar a melhor pedida é dar uma passada em um spa. Hoje em dia existem lugares para todos os gostos e bolsos onde você possa passar bons momentos!

3 - Os Passos de Anchieta

O texto reflete acerca do desenvolvimento do turismo nos espaços mítico-religiosos, discutindo a relação entre o turismo e a religião, as tipologias aplicadas aos turistas, peregrinos e outros freqüentadores de santuários de fluxo. Analisa o evento denominado Os Passos de Anchieta que ocorre anualmente no litoral do Espírito Santo, discutindo suas características marcantes e como o turismo pode recriar os santuários para o desenvolvimento deste que é um dos fenômenos sociais mais marcantes da pós-modernidade.

O turismo de massa produz um comportamento degradante tanto para os turistas como para a comunidade, um exotismo superficial que limita qualquer contato verdadeiro com a cultura do país anfitrião "(João Paulo II)

O turismo vem se tornando um dos mais expressivos fenômenos das sociedades pós-industriais. Visto como uma prática social, é capaz de causar fortes repercussões sobre os ambientes econômicos, sociocultural e físico, muitas vezes negativamente. Apesar disto tem sido por muitos defendidos devidos principalmente ao seu inegável poder de geração de empregos e renda.

As manifestações religiosas são um campo de estudo muito explorados por algumas ciências como a social, a antropologia e a geografia entre outras, apesar disto, abordagens com relação ao turismo são extremamente escassas.

O presente estudo pretende refletir acerca do desenvolvimento do turismo nos espaços mítico-religiosos à partir de elementos relacionados a turismo e religião presentes no evento denominado Os Passos de Anchieta: um caminho de fé, realizado anualmente no litoral do Espírito Santo e que vem a cada ano atraindo um número maior de participantes.

4 - Peregrinos, Turistas Religiosos e outras Tipologias

A palavra peregrino, em latim peregrinos significa literalmente estrangeiro que viaja por terras distantes. As emoções que orientam o caminho e a vivência deste trajeto são inerentes à peregrinação, um culto público e oficial que se estende até o templo, lugar sagrado ou percurso sagrado, e representam um extraordinário momento de convivência social.

O peregrino é um agente singular e não permanente, pode ser um alto executivo de uma multinacional, pedreiro, operário, jardineiro, atleta e até devoto, que num momento específico, fora de sua rotina diária, transforma-se.

O peregrino é aquele que associa a caminhada à busca de satisfação e conforto espiritual, acompanhada na maioria das vezes de sofrimento físico, que representa a limpeza do corpo recipiente para a ocupação de uma força sobrenatural. É possível identificar o peregrino como um agente consumidor do sagrado enquanto o turista um cliente usuário da religião.

O turista difere do peregrino principalmente no que se refere à motivação. O peregrino é movido pela busca da satisfação e conforto espiritual, com a esperança de aumentar sua santidade pessoal, obtenção de bênçãos e curas especiais, enquanto o turista busca o bem estar, muitas vezes a preguiça, a satisfação de lazer, esta motivação recai no desejo de escapar das pressões da sociedade, mesmo que temporariamente.

Em seu estudo intitulado O Caminho de Santiago, Smith apud Rosendahl (1999: 96) observou que muitos visitantes de Santiago de Compostela, durante um prolongado rito de passagem tiveram questionamentos à cerca do significado espiritual do mundo, durante o trajeto eles se transformavam em peregrinos. Estes outros aspectos levaram Smith a sugerir uma tipologia para estes visitantes de lugares sagrados: o piedoso-peregrino, o peregrino-devoto, o peregrino-turista, o turista-secular e o turista-peregrino."

O turista peregrino seria o visitante do lugar sagrado que possui motivações nitidamente de turista, e, a partir da vivência do espaço sagrado é envolvido pelo pensamento mítico.

Oliveira (2000) coloca que "são raros os não-crentes que conseguem ficar espiritualmente imune a vibração ritual desencadeada pelas grandes manifestações de fé...", e que "o turismo vem se tornando um meio seguro para tornar este contato acessível e real".

5 - Turistas, Peregrinos reapropriadas pelo turismo.

Não se pode deixar de fazer menção aos estabelecimentos termais e à ingestão de águas com efeitos curativos, a crenoterapia, como um dos núcleos, de maneira assemelhada à Europa Ocidental, e por causa de hábitos transplantados, dos quais o turismo se apropria.

Não seriam desconhecidas dos colonizadores e até dos indígenas as águas para banhos e para ingestão, com características terapêuticas. É claro que, no caso dos colonizadores, apesar de se situarem num mundo antípoda , haveria uma tendência de recriar certos hábitos originais, tanto quanto assimilar práticas indígenas ao seu repertório para otimizar a convivência como o território desconhecido.

Mais uma vez é preciso recordar que esses hábitos são disciplinados no século XVIII, rigorosamente ordenados em espaços de tempo e porções, correlacionados às moléstias, as estações, ao sexo, à idade. Em suma, medicalizados. Tornam-se objeto de estudo, ultrapassando as constatações empíricas e as observações sem empenho de sistematização. De resto, isso também se aplicava aos banhos de mar.

A denominação genérica de caldas indicam regiões e terrenos ricos para os tratamentos crenotrerápicos, sendo sucedidos e, finais do século XIX e durante o século XX pelo termo águas, mais afeito aos congêneres europeus não portugueses com uma conotação importada e modernizante.

As noticias que possuímos são parcas e confidenciais somente no século XIX para sítios dotados de águas com propriedades curativas. Da província de São Paulo, em 1875, dizia-se serem conhecidos "algumas fontes e entre estas as do município de Cunha, de água férrea, e me São João Batista uma fonte termal sulfurosa na vertente paulista da serra de Caldas da província de Minas Gerais" . É outra entretanto, a informação que nos é dada da província de Minas Gerais em 1837. Nela o território mineiro é citado como "um grande número de Fontes Minerais, proveitosas a espécie humana em várias enfermidades [...]", tais como: "Lagoa Santa, Ribeirão de Brejo Salgado, Ribeirão da Selitre, Araxá, Campanha da Princesa,Caldas do Rio Pardo, Inficionado e Curimatai".

Essas dominações arcaizantes ou pouco usadas hoje, com algumas exceções, observada com atenção, estão associadas a áreas de criação de gado, servindo o exame das condições oferecidas aos animais - "o gado dos lugares circunvizinhos e as mesmas feras freqüentam estas fontes, cujas águas lhes conservam saúde vigorosa"- para indicá-las por extensão à sanidade humana. É o mesmo autor que nos diz que o Conselho do Governo de Minas resolvera construir casas de banhos em Caldas do Rio Pardo, ou Poços de Caldas, como denominamos hoje.

Finalmente, numa breve referencia, as peregrinações religiosas que não são desconhecidas desde o período colonial. As coleções de ex-votos, hoje rica fonte iconográfica para reconstruir os hábitos e os artefatos da vida cotidiana, atestam a existência de percursos de peregrinação como o de São Bom Jesus de Matosinhos, Pirapora do Bom Jesus, ou mesmo Aparecida, já em finais do século XVIII. Devoções e imagens milagrosas, cultuadas com procissões, às vezes cavalgadas, ritualizadas, permanecem, se esvaem, se atenuam ou se acentuam. Também essas práticas serão objetos dos serviços turísticos, necessitando de estudos sistemáticos de casos para construir mais solidamente uma história do turismo no Brasil.

Conclusão

Após ter feito o presente trabalho concluímos que o homem precisa relaxar e estando com pessoas que sabem como trabalhar com o seu lado espiritual, ele começa a criar inspiração e conhecimento. Como resultado, sua vida, sua esfera emocional, sua mente começa a mudar, ele torna-se saudável, seu trabalho começa a florescer. Descobrindo a sua essência o homem torna-se um mestre de seu próprio destino, sua vida torna-se feliz e ele, repleto de força. Este é o real propósito e valor da existência humana.

Por esta razão, o Turismo Esotérico é desenvolvido em locais onde o turista possa ter contato com conhecimentos de antigas civilizações, ou novas linhas de pensamento e onde possa inclusive ter a oportunidade de participar de rituais místicos.

Bibliografia:
OLIVEIRA, Christian. Religiosidade popular na pós-modernidade, um ritual turístico? Fortaleza: UECE, 1998, v.2, p.161-170.

ROSENDHAL, Zeny. Percepção, vivência e simbolismo do sagrado no espaço, peregrinos e turistas religiosos. Fortaleza: UECE, 1998, v.2, p. 161-170.

OLIVEIRA, P. Antonio. Turismo e Desenvolvimento, Planejamento e Organização. São Paulo: Atlas, 2001. 3 ed.ver e ampl. P. 88.

NAKAMURA, Yoko. Sete dias em um Spa. Disponível em: <www.resvistaturismo.com.br> Acesso em: 09 jun. 2003.

GAZONI, L. Jefferson. Os Passos de Anchieta : Turismo e Religião no Litoral do Espírito Santo - Out/02. Disponivel em: <www.resvistaturismo.com.br> Acesso em: 09 jun. 2003.

ALVES, Liliane. A Caminho de Anchieta. Revista Terra. São Paulo, Julho 1999. p. 20.

MATOS, Raimundo José da Cunha. Corográfia histórica da província de Minas Gerais (Belo Horizonte)São Paulo : Itatiaia / Edusp, 1981) p.281.

OLIVEIRA, Christian Dennys Moonteiro. Um templo para cidade-mãe: a constituição de um contexto metropolitano na geografia do santuário de Aparecida - SP, tese de doutorado digitada, São Paulo, departamento de Geografia, FFLCN/USP, 1999.

DENKER, Ada de Freitas. Et al. Turismo como aprender, como ensinar. 2 ed. Vol 2. São Paulo : Editora SENAC. São Paulo, 2001. p.74.

Autora:
Suelen Floriani

Voltar