Influência dos Serviços de Transportes na Hospitalidade do Turista - Abr/04

Voltar

Desde o surgimento da humanidade, há necessidade de transportar informações, imagens, carga ou pessoas. Estes deslocamentos só foram possíveis através da abertura de estradas e o desenvolvimento dos meios de transportes.

Quando se fala em turismo, a primeira necessidade que vem ao imaginário do turista são os meios de transportes e alojamento que será utilizado para a viagem, criando a expectativa de hospitalidade, que constitui não apenas como ato de hospedar, mas receber o turista demonstrando que ele não é apenas um objeto de lucro, mas o reconhecimento como ser humano com necessidades e desejos a ser correspondidos. Esses serão possíveis apenas com serviços de boa qualidade desde o embarque. Sendo através de meios de transportes marítimo, rodoviários, ferroviário e aéreos.

Os sistemas de transportes que desencadearão hospitalidade compreenderão desde as condições de estradas ,sinalização, semáforos, higiene e segurança, e até o atendimento na compra do bilhete de passagem.

Os meios de transportes podem constituir ainda como o próprio atrativo turístico não apenas em sua infra- estrutura mas na qualidade de serviços oferecidos, e o conteúdo turístico incorporado ao meio.

Transporte aéreo:
Este meio pode ser subdividido em serviços aéreos com horário marcado, serviços sem horários ou charter e táxi aéreos. Os primeiros fazem rotas domesticas internacionais com licenças concedidas pelos governos dos paises que servem ou sobrevoam. Tem de operar de acordo com os horários publicados e acordados independentemente do fator da carga de passageiros. As companhias de aviação podem ser de propriedade do estado ou empresas privadas que dependem das políticas dos governos dos respectivos paises a que pertencem.

Geralmente a companhia de avião particular será transportadora nacional. Outras transportadoras, segundo a sua importância relativa em relação ao sistema total, são conhecidas companhias de avião de segunda ou terceira força. Aquelas que fornecem serviços locais ou regionais são designadas companhias de manutenção.

Os serviços sem horários ou charter cativam devido ao preço ou tarifa mais atrativo por passageiro.
Os táxis aéreos são aviões particulares de aluguel, geralmente com capacidade para transportarem de quatro a dezoito passageiros, usados sobretudo por executivos de empresas e equipas em diversas viagens para as companhias.

O transporte aéreo é a transportadora dominante para o setor do turismo na maioria dos paises. Todavia, embora seja um transporte rápido e cômodo para os destinos mais distantes, em termos de custo total não é mais barato.

Os serviços aéreos atualmente não sobrevivem apenas da sua rapidez e eficiência, pode-se observar isso através das crises atuais das companhias aéreas que hoje estão até mesmo unindo-se a outras companhias para conseguirem permanecer no mercado. As companhias necessitam rever os serviços prestados e colocar o cliente no topo dos seus serviços, oferecendo a eles serviços diferenciados para conquista-lo. A diferenciação não deve ficar apenas no preço mas voltar-se principalmente para a hospitalidade do passageiro, para que a viagem constitua na satisfação do turista.

A qualidade nos serviços pode acontecer se forem oferecidos não apenas em uma pessoa para atender o turista na sua necessidade, mas em alguém preocupado com o bem estar do turista. Devendo ser sempre sorridente, atencioso e calmo, não deve estar escondido por traz de seus uniformes como um robô programado para trabalhar no horário pré- determinado.

Transporte marítimo
Navios de cruzeiro de longo curso, ferries, barcos de rios e canais constituem este setor. Os cruzeiros marítimos são o segmento turístico que mais cresce no mundo todo. O objetivo do cruzeiro é em grande parte fazer com que seus hospedes desfrutem de ótima infra- estrutura que os navios oferecem, além de visitarem pontos turísticos ao longo da viagem.

Dando atenção maior para os serviços de navios cruzeiros constituindo a maior parte da atividade turística. Este é o responsável por segurar maior tempo os turistas dentro de seu anterior, ele oferece mil coisas de lazer como cassinos, discotecas, compreendendo as mesmas atividades que outros navios oferecem.
Para que os serviços de cruzeiros se diferenciem será necessário voltar atenção para os responsáveis por atendimento tanto direto como indireto,ou seja desde o garçom até a cozinheira ou camareira deixando no imaginário do turista algo que nunca mais se esquecerá. Isso é hospitalidade.

Transporte rodoviário
Em função da acessibilidade que o modo rodoviário apresenta, ele não apenas compreende boa parte da rede de transporte de uma região, mas também serve como meio de interligação entre outros modos de transporte.No âmbito do turismo, permitiu que um maior nº de viagens fossem realizadas e com cada vez mais freqüência, tornando-se alguns paises a primeira forma de transporte no seguimento turístico.Compreendem automóveis particulares, motos bicicletas, carruagem, ônibus e caminhões.

Este meio de transporte tem como elemento essencial na prestação de serviços suas condições físicas, mas como todos os outros meios destacados, não se pode deixar de mencionar a necessidade de funcionário bem capacitado para atendimento ao turista .Acreditamos que ninguém gostaria de viajar com um motorista nervoso, ou calado ao ponto de não falar bom dia para o turista.

Muitas empresas ainda não perceberam o erro que estão cometendo de investir cada vez mais em bens físicos e não investir em recursos humanos a atentar aos pequenos detalhes, sendo que muitas vezes o turista é espantado já na compra do bilhete de passagem ou na compra do pacote. O turista não vai procurar uma empresa só porque a passagem é mais barata, mas analizará todo o contexto, segurança, recepção e conforto e por ultimo o preço.

Transporte Ferroviário:
A tecnologia ferroviária, que se expandira largamente durante o século XlX , passou a perder cada vez mais importância em muitos paises, dentre eles o Brasil. Entretanto, a parir de meados da década de 1960, no Japão, e do inicio da década de 1980, na Europa, o surgimento de trens de alta velocidade permitiu uma maior competição da tecnologia ferroviária não só com o modo rodoviário, as até mesmo com o aéreo. Compreende-se transporte ferroviário de cargas, de passageiros urbano e médio a longo prazo. E transporte ferroviário exclusivamente para fins turísticos.

A hospitalidade neste transporte pode ser destacada no charme que constitui viajar nestes, compreendendo a paisagem o preço e a rapidez.

Quando se fala em transporte - hospitalidade, requer atenção a forma de tratamento do turista antes e durante o seu embarque, no atendimento a compra da passagem seja por telefone ou pessoalmente, na recepção dos funcionários envolvidos, seja motorista ou comissária de bordo, demonstrando a felicidade de te - lo para viajar, os serviços diferenciados, e um guia capacitado.

São todos elementos que irão compor o sistema da hospitalidade. Qual viagem seria agradável se desde o começo já não superasse os fatores determinantes de uma viagem?

Podemos compreender a interdependência de transportes e hospitalidade, destacando assim a necessidade do individuo ao se deslocar de sua residência habitual, buscando um mínimo de conforto, qualidade , proteção, e satisfação de suas necessidades e superar suas expectativas.

A precariedade dos transportes influenciou por grande tempo a hospitalidade, pois os automóveis não passavam de 60km/h nas viagens, necessitando de hospedagem durante as viagens. Diferente de épocas anteriores, hoje a evolução tecnológica favorece a hospitalidade através da rapidez e eficiência , deslocando um maior numero de pessoas a preços mais acessíveis favorecendo a demanda por viagens contribuindo para o aumento do turismo. Mas é evidente como citado anteriormente que a hospitalidade vai além destes fatores.

O transporte pode ser definido também como transporte- produto turístico segundo Palhares in Lamb e Davison(2002) a própria atividade de transportes é uma experiência de turismo, como no caso dos cruzeiros, dos trens panorâmicos, dos passeios de carro e de bicicleta, sendo em algumas circunstancias o transporte prevalecendo sobre o próprio destino turístico, e muitas vezes influindo na escolha do local a ser visitado.

Essa influencia destacado acima pode ser resultado de todo um sistema que acolhedor do viajante e supridor da necessidade do individuo ao se deslocar do seu ambiente natural. Ou também pode ocorrer numa má influencia como exemplo de um turista se deslocar para um local e o meio de transporte utilizado não acolher o turista de forma correta, a hospitalidade ficará prejudicada.

No Brasil, o histórico da hospitalidade remonta a época do povoamento e colonização. Normalmente os alojamentos, que foram se formando pela beira dos caminhos, eram erguidos como pequenas mercearias de suprimentos para os proprietários dos animais de tração ou montaria utilizados para o transporte das mais variadas mercadorias e para os tropeiros que conduziam gado pelas estradas do interior.
A hospitalidade pode ser compreendida no turismo de acordo com os três pilares básicos do turismo, segundo (OLIVEIRA,2001)

Cama:
Refere-se a todos os estabelecimentos que comercializam hospedagem. Incluem - se os tradicionais hotéis urbanos, de lazer, resorts, flats, lodges, de campo, motéis, campings, hospedarias, pousadas, colônia de férias, complexos turísticos, acampamentos, casas, apartamentos de aluguel, pensões, albergues da juventude, inclusive aqueles localizados em regiões especiais, com características geográficas e históricas muito próprias.

A oferta hoteleira é extremamente variada. Existem hotéis de montanha e fazenda. Cada qual possui características próprias, seja na arquitetura, seja na prestação de serviços.
Nos últimos anos, muitos hotéis mudaram suas ofertas. Não são mais estabelecimentos só para pernoites, pois os turistas preferem hotéis que ofereçam outros serviços além de um quarto para dormir. Eles querem que os quartos sejam amplos, que permitem livre movimentação em seu interior, que possuam televisão e geladeira. o edifício deve oferecer um visual arquitetônico atraente que constitua em si mesmo uma motivação para hospede. A arquitetura aconchegante e harmoniosa com o ambiente onde o edifício está inserido garante em parte do sucesso do empreendimento hoteleiro. O contrario é também verdadeiro. Se o edifício não estiver em harmonia com o meio, é possível que a população do local e os turistas o rejeitem.

O poder público tem por obrigação cuidar para que não sejam construídos verdadeiros monstros, escondendo uma bela paisagem ou ferindo a arquitetura tradicional do local. A legislação municipal do turismo deve exigir que os apartamentos ofereçam condições adequadas, pois o turista tanto nacional quanto internacional, está cada vez mais exigente no que diz respeito ao conforto e a qualidade de serviços oferecidos.

Além da qualidade de serviços, os preços da diária são outro fator determinante para o sucesso de um empreendimento hoteleiro. O justo equilíbrio entre qualidade e o preço garantem o resultado comercial do hotel.

Caminho
Todas as formas de acesso aos locais turísticos. São as estradas, os portos, os aeroportos, as rodoviárias, as estações de trem e os meios de transportes em geral.

Quanto às estradas, incluem-se tanto as modernas, pavimentadas, seguras e também sinalizadas, quantos as pirotescas. Aquelas estradinhas estreitas e sinuosas pelo litoral ou pelas montanhas constituem-se, elas próprias na grande atração local.

Ao programar a construção de estradas em locais turísticos o poder publico deve cuidar para não descaracterizar o meio ambiente: a vegetação nativa, as pedras, a manutenção de certas curvas que garantem um belo visual e transformam o trajeto em atração turística. O turista tem mais interresse em percursos pirotescos do que naqueles em que as estradas são retas, monótonas, sem paisagens para apreciar.

Compras
Quem realiza uma viagem dificilmente volta de mãos vazias, sempre traz alguma coisa na bagagem comprada nos locais visitados. O ato de comprar faz parte da necessidade de satisfação pessoal do turista. È uma questão psicológica. As viagens realizadas em grupo provocam um impulso de comprar muito maior do que aquelas realizadas individualmente. Se o local visitado oferece mercadorias com qualidade, preços convidativos e que não são encontráveis na cidade de residência do turista, então este local vai beneficiar-se extraordinariamente .

Comida:
A gastronomia é um importante produto turístico. Durante o café da manhã, os turistas já planejam onde vão almoçar, durante o almoço programam o jantar. A diversidade de ofertas de restaurantes com comidas e bebidas típicas, bem apresentadas e em ambiente acolhedores, é uma forte atração. O turista está sempre em busca de novidades e conhecer a culinária local pode ser uma delas.

Carinho:
È a síntese de todos os esforços dependidos pelo poder publico e iniciativa privada para fazer de um local um grande atração turística. È primordial receber os visitantes com atenção, demonstrar -lhes que o local tem interesse em sua presença e que está preparado para recebe-los.

Outras demonstrações de carinho são manifestadas por meio de uma eficiente e bem conservada sinalização turística; material gráfico facilmente obtido, como mapas e folhetos; do preparo dos profissionais de turismo, da conscientização da população de que o turismo é benéfico para a cidade( explora-se o turismo e não o turista); mantendo-se a cidade limpa, segura, florida, com calçadas e ruas em bom estado de conservação. A respeito desses aspectos causa boa impressão, cria um clima de satisfação, motiva o turista a permanecer mais dias do que previa e até mesmo a retornar nas próximas férias.
Dentro do turismo todas essas expectativas citadas acima só serão possíveis através dos meios de transportes.

CONSIDERACOES FINAIS
Sendo o deslocamento como elemento básico para que o turista chegue ao local turístico escolhido, a imagem do turista quanto a viagem que irá realizar se formará desde o embarque ao meio de transporte escolhido.Havendo uma falha, todo o sistema hospitaleiro será prejudicado. Por isso a necessidade de voltarmos atenção para a qualidade nos serviços oferecidos a esses turistas, buscando na elaboração de pacotes turísticos escolher qual o meio de transporte adequado, seus componentes , o caminho melhor a percorrer, os benefícios para o turista na escolha deste, atendendo sempre para os horários, recepção, conforto, aparência externa e interna. Por Todos esses fatores são imprescindíveis para a hospitalidade do turista , evitando assim imagem negativa quanto ao produto final e seus intermediários envolvidos no serviço prestado.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICA:
OLIVEIRA, A. P., Turismo e Desenvolvimento:Planejamento e
Organização, 3ª ed., São Paulo: Atlas, 2001.

PELIZZER, H. A., Uma Introdução a Técnica do Turismo.
Transportes, Livraria Pioneira, Editora-SP.

ANDRADE, J. V., Fundamentos e Dimensões do Turismo, Editora
Ática. 6 ª ed. Serie Fundamentos,1999.

PALHARES, G. L., Transportes Turísticos, São Paulo: Aleph,2002.

Autora:
Eliane de Jesus
Acadêmica do Curso de Turismo e Meio Ambiente de FECICAM- Faculdade Estadual de Campo Mourão. Artigo apresentado à disciplina Projetos Turísticos, ministrada por Talita Moser. Monitora das disciplinas Turismo Rural e Teoria Geral do Turismo na Faculdade Integrado de Campo Mourão-PR.

Voltar