Os Crocodilos de Água Salgada

Voltar

Estimados amigos leitores da Revista Turismo,o Guardian, após longo tempo em Mooloolaba aguardando o passar da temporada de furacões do Pacifico Sul,retorna as suas velejadas e aventuras.
No momento,estamos subindo a costa leste da Austrália,explorando a Grande Barreira de Corais,o maior santuário marinho do mundo.

Ao norte da Austrália,iremos adentrar a região dos terríveis crocodilos de água salgada,objeto desta especial matéria.

Originários do norte da Austrália ,estes répteis acabaram por migrar por todos os sítios do Mar de Coral ,através do Arquipélago das Lusiades,ganharam Papua Nova Guine, as Ilhas Salomão, descendo ate as Ilhas norte de Vanuatu,os Arquipélagos de Banks e Torres.

croc1.jpg (25166 bytes)

O grande crocodilo de água salgada tem como habitat o fundo de baias,perto dos mangues,onde as águas são turvas.Poderá também ser encontrado na foz dos rios,onde as características das águas são as mesmas.

Ao contrario do que muitos pensam,não é o Grande Tubarão Branco o maior perigo no mar e ,sim,o crocodilo de água salgada,face a total voracidade em ataque.

Aparentemente,este animal liquida todo o ser vivo que  adentra em seus domínios, ou quando em migração se torna muito mais agressivo e voraz.

O grande Tubarão Branco,como todo predador, ataca para sua subsistência,em proteção aos filhotes ou em disputa.Como já colocada em matéria escrita e em nosso livro O Guardian na Nova Zelândia,onde narramos nosso mergulho com o Grande Branco,em situações de normalidade não ha nenhum perigo.

Todavia ,o caso do crocodilo de água salgada é totalmente diferenciado,ataca e sempre em qualquer situação,dentro ou fora d'agua.Em terra é mais rápido q o homem,quando se usa a técnica de se evadir de sua perseguição com zig-zags,quando este animal perde sua velocidade,face à dificuldade de fazer curvas.

O aspecto comportamental do crocodilo de água salgada,ao contrario do pensamentos de muitos ,em atacar a tudo e a todos esta preso a seu aspecto territorial.Nenhum animal mata por prazer com exceção,lógico, do bicho homem.

croc5.jpg (15574 bytes)

O cão, e todos os cinofilos conhecem bem este aspecto,não protege a casa de seu dono e, sim, o seu território,latindo ou mordendo os intrusos em sua área.
O mesmo ocorre com os tubarões cinzas dos recifes e os peixes de toca,q defendem seus territ
órios.Com os crocodilos de água salgada ocorre o mesmo fato,e pode ser facilmente comprovado quando estes animais estão em cativeiro,onde perdem sua agressividade, em alguns casos.

Possuidores de uma potencia mandibular, com cerca de 1 tonelada e uma forca de impacto com a cauda na base de 500kg se tornam muito perigosos no ataque,normalmente mordendo a vitima e levando-a para o fundo d'agua ,matando-a por afogamento.

Sua velocidade dentro d'agua é espantosa podendo nadar submerso cerca de 500 metros.
A única defesa para soltar-se das mandíbulas do crocodilo de água salgada é atingir seus olhos.Todavia,como colocam os aborígines australianos,apos uma dentada de 1 tonelada não ha ninguém q tenha condições de achar os olhos do "croc",como também é chamado.

Para nos cruzeiristas o fato mais significativo relativo ao "croc" ocorreu na temporada de 1998, na Ilha de Utopua,ao sul das Salomão,onde o Guardian esteve na temporada seguinte,1999,quando de seu cruzeiro pela Melanésia.

Na ilha de Utopua,no fundo da baia de Basilik,adentrou em junho de 98 um veleiro suíço com um casal na faixa etária dos 50.Contrariando todas as regras de segurança e bom senso, se dirigiu ao fundo da baia,para a região dos mangues e águas turvas,sem perguntar nada aos habitantes do vilarejo mais próximo.Apos a ancoragem,o suíço achou por bem se refrescar nas águas turvas dando uma nadada,ainda q contrariando os insistentes apelos da esposa,q alertava sobre a existência de crocodilos no local,e recebia em resposta :
-Isto é historia,conversa de índios não civilizados!!!!!!!!!!

O fato é , que após 5 minutos de nadar naquelas águas e nas vistas de sua esposa que impotente no convés de seu veleiro assistiu seu marido ser abocanhado pelo "croc" e desaparecer.

croc2.jpg (12542 bytes)

O fato ocorreu por volta das 16 horas.
Dia seguinte,como de habito, os locais se acercaram do veleiro para a tradicional venda de legumes,frutas e artesanato,encontraram a esposa debulhada em lagrimas,q
ue narrou o ocorrido.

Charlie,o caçador de "crocs" do local,arregimentou seus companheiros e partiram a procura do corpo do velejador suíço,já q um só crocodilo não tem capacidade de digerir um ser humano.Normalmente,o processo de digestão é muito lento e seu estomago muito diminuto,levando em media 7 dias para digerir uma galinha.
Apos exaustivas buscas,foi achado o corpo mutilado do suíço,já sem um braço e uma perna.As formalidades acabaram por demorar 4 dias e o corpo foi sepultado no próprio vilarejo de Nimboa,em Utopua.
A esposa retornou a seus pais e amigos da família vieram apanhar o veleiro,terminando o cruzeiro de forma drástica e servindo de exemplo para todos quantos acreditam serem os ataques de crocodilos de água salgada fantasias de nativos.

Quando em Utopua, como colocamos, visitamos o tumulo do cruzeirista suíço,conversamos muito com Charlie,com quem aprendemos muito sobre estes terríveis répteis.
Charlie recebeu dos parentes do suíço uma boa recompensa em espécie,q esta aplicando na construção de um cativeiro para "crocs",onde pretende coloc
á-los para visitação.

O fato é q o crocodilo de água salgada é muito perigoso e todo cuidado deve ser tomado,quando se adentrando as águas em q comprovadamente ou não possa haver existência destes animais .
Da cidade de Cairns,rumo norte no lado leste da Austrália todo o cuidado deve ser tomado e as as autoridades avisam constantemente, através de placas,panfletos,etc,a existência de "crocs", e os locais de suas ultimas aparições.

Com ate 12 metros, o maior já encontrado,o crocodilo de água salgada pode ate ser visto em águas calaras e límpidas dos corais,quando em migração,quando sua fome se torna acentuada face a poder ser notado a longa distancia,o q não ocorre no seu habitat normal,em águas turvas.

Estamos agora nos últimos dias de Oceano Pacifico ,quando ao fim do mês de julho adentraremos ao Golfo de Carpentaria,ganhando o Oceano Indico,com seus mistérios e a cultura exótica do oriente.

veleiro.jpg (62572 bytes)

O Pacifico ficara na lembrança com suas fantásticas historias e a nunca esquecidas velejadas do Guardian e seus parceiros,a SOCOCO,o JORNAL DO BRASIL on-line e ARACAJU WEB DESIGN,q nos auxiliam a irmos mais adiante.
Um forte abraço a todos os bons amigos e leitores da REVISTA TURISMO e ate o próximo mês.
João Sombra
Diretamente do Guardian,na Grande barreira de Corais da Austrália para a REVISTA TURISMO.

Veja mais fotos

Reportagem : João de Albuquerque (O Sombra)

João Francisco Sombra de Albuquerque (O Sombra) viaja com sua família pelo mundo a bordo do veleiro Guardian. Mensalmente ele escreve matérias de suas aventuras para a Revista Turismo. Acompanhe sua Saga!