Dicas para suas fotografias - Abr/01

Voltar

A fotografia tanto pode ser tanto uma profissão como um hobby, um hobby em que a recompensa é garantida, seja em belas fotos ou mesmo em dinheiro, se você oferecer seus serviços para os parentes, amigos e conhecidos. Quem é que nunca se emocionou ao rever as fotos da infância, da adolescência, da formatura ou do casamento, dos parentes e amigos distantes ? Nessa hora, mesmo sem querer, agradecemos à pessoa que registrou aquele momento num filme fotográfico. Não é com apenas um filme que você começará a tirar fotos
bonitas, mas na prática constante e contínua, nos erros e acertos é raro um filme inteiro conter fotos bem tiradas, somente a metade (ou menos) pode ter algo interessante. Não desanime se suas fotos não ficarem boas, até os profissionais tiram péssimas fotos para os clientes, mas só mostram as boas.

A fotografia P&B foi a primeira que surgiu, é lógico, e é muito utilizada por profissionais e amadores ainda .Além disso, o filme pode ser revelado e ampliado em casa. Na fotografia P&B a qualidade da imagem depende basicamente do contraste entre o claro e o escuro e da escala de cinza. Como a cor não é registrado no filme, pode-se utilizá-lo tanto para a luz do dia como para a luz artificial, sem a necessidade de filtros. Caso se queira tirar fotos da natureza com um contraste bem forte, pode-se usar filtros coloridos como o amarelo ou o vermelho.

Vale lembrar que numa foto P&B há mais impacto para as cenas dramáticas do que na fotografia à cores. Também, há um certo ar de nostalgia quando se fotografa objetos antigos em P&B.

Tipos de filmes

Basicamente, todos os filmes funcionam de maneira semelhante: uma película recoberta com uma fina camada de um produto químico sensível à luz (halogenetos de prata). Mas, não vamos nos ater nos aspectos técnicos da fabricação dos filmes, vamos ao que nos interessa, há filmes para fotografia a preto e branco, cores e slides também conhecidos como cromo.

A sensibilidade do filme, geralmente, é dada no sistema numérico ASA. Também usa-se em algumas localidades o sistema DIN e o ISO. Vamos usar o sistema ASA.

Quanto ao formato, os mais populares são: 110, 120 e 135. Há outros menos populares, usados apenas por profissionais: 220, 4x5, etc. O formato 110 quase não é  mais usado hoje em dia. Os formatos 120 e 220 (rolo) têm as mesmas larguras, diferem apenas no comprimento ou números de exposições, 15 e 30 respectivamente ( em 6x4.5 ); é muito usado por profissionais e semi-profissionais. Além disso, permite negativos com diversas medidas: 6x4.5; 6x6; 6x7; 6x9; e conforme a o tamanho do quadro, fornece uma resolução de 3 à 6 vezes superior ao 135. Em outras palavras, podemos ter uma cópia num tamanho maior e mais nítida.

O formato 4x5, ou seja 4 polegadas por 5 polegadas, é usado somente em estúdios. a câmera é grande e pesada e o filme só ser encontrado nas lojas especializadas.

O mais utilizado, sem dúvida nenhuma, é o formato 135 ou 35mm. É utilizado por amadores e profissionais, veteranos e novatos. Por enquanto esse formato reina absoluto.

Há pouco tempo surgiu um novo formato de filme o APS (Advanced Photo System), um pouco menor que o 135, mas vamos, por ora, deixá-lo de fora. 
Na revelação dos laboratórios da Fujifilm predomina os tons verdes e azuis; nos da Kodak predomina os tons amarelados, os filmes Agfa ficam no meio termo.

Modelos de máquinas fotográficas 

Em primeiro lugar temos as câmeras fotográficas automáticas com inúmeros recursos e regulagens controladas por programas e chips eletrônicos. Você irá tirar ótimas fotos com as características do fabricante. Como você, muitos irão produzir clones idênticos usando as mesmas regulagens programadas, porém se você tiver intenção de fazer ótimas fotos com as suas caracteristicas, compre uma câmera que permita total controle pelo fotógrafo nas eletrônicas isso é indicado pelo "M" (manual). A seguir os tipos mais comuns e alguns modelos profissionais.

Câmera de visor direto: são essas câmeras de preços mais acessíveis, que possuem apenas uma objetiva de foco fixo ou automático, abertura fixa e apenas uma velocidade de exposição ou controlada automaticamente. O enquadramento do motivo a ser fotografado se dá por um visor colocado paralelamente à objetiva. Atualmente essas câmeras são totalmente automáticas, possuindo motordrive para carregamento e rebobinamento do filme, flash embutido e objetiva com zoom. CanonBoy, Olympus µ, Ricoh Gr10, são alguns modelos desse tipo. Existem algumas máquinas desse tipo que podem ser empregadas por profissionais, com mais recursos que as normais. Alguns modelos permitem a troca de objetiva , o controle de abertura e o tempo de
exposição. A Leica possui alguns modelos deste tipo, mas são caríssimos.

Câmera reflex (SLR): a visão da imagem se faz através da objetiva . Um espelho inclinado à 45° atrás da objetiva reflete a imagem num "finder screen", que por sua vez, através de um prisma, vemos a imagem numa ocular. Ao apertarmos o disparador o espelho se levanta e uma cortina mecânica se abre para expor o filme à luz, nesse momento deixamos de ver a imagem por algumas frações de segundos. Além disso este modelo oferece inúmeras objetivas intercambiáveis, diferentes tempos de exposição e aberturas do diafragma da objetiva, vários tipos de acessórios e filtros. É o modelo mais difundido entre os profissionais e amadores no mundo todo, com isso, é o modelo que mais sofre alterações tecnológicas. Atualmente todos os modelos têm alguma parte ou controle eletrônico, mesmo os modelos ditos "manuais", foco manual (MF). Os modelos de foco automático, ou autofocus (AF), são os que mais se popularizaram e os mais fáceis de se achar hoje em dia por um preço razoável.

Geralmente os modelos AF são programados para expor o filme corretamente à luz, independente do modo escolhido: abertura ou velocidade automática, ou conforme o programa escolhido: esporte, retratos, paisagens, etc. Também possuem o modo de seleção manual de exposição e abertura do diafragma, sendo que muitos ignoram este último.

Alguns modelos MF: Canon AE-1, F1; Nikon FM2, F3; Contax 167MT; Olympus OM4Ti.

Alguns modelos AF: Canon EOS1, EOS5; Nikon F5; Minolta alfa-807si; Pentax MZ-5.

Qual modelo escolher? AF ou MF ? Depende do seu gosto pessoal, assim como escolher entre um carro com câmbio manual ou automático.

Modelos SLR de formato médio: esses modelos têm funcionamento semelhante ao anterior, apenas são maiores e usam, geralmente, filme em rolo no formato 120 e 220, além de possuir um visor que permite observar a imagem à linha da cintura. Alguns modelos possuem estojos de filme intercambiáveis, podendo usar, além do 120-220, filmes 135 e filmes instantâneo da Polaroid ou Fuji. Os estojos podem ser trocados mesmo que o filme esteje pela metade, para isso existe uma chapa metálica que protege o filme da exposição à luz. 

Alguns modelos: Mamya TL645, RB67, RZ67; Pentax 645N, 67TTL; Hasselblad503CW; Rollei6008; etc.

Este tipo de máquina é próprio para uso profissional. É preciso muita grana e muita força para comprar um conjunto completo deste tipo de câmera, pois além de ser caro é muito pesado.

Objetivas

Nenhuma câmera fotográfica tem valor sem uma boa objetiva, por isso, antes de escolher sua máquina, veja a qualidade ótica da objetiva e a diversidade de modelos que a marca oferece.

As objetivas são divididas em diversas categorias, mas vamos listar as 6 principais: grande angular, normal, teleobjetiva, super teleobjetiva , especial e zoom.

Grande Angular (abaixo de 50mm) - Tem curta distância focal e abrange um campo muito grande. É o que tem o maior "ângulo de visão", entre 60° à 90°, sem distorcer a imagem formada no plano focal. É utilizada nas fotografias de grandes planos, tanto de paisagens exteriores como de interiores, sem precisar se afastar muito do motivo a ser fotografado. A maioria das grandes angulares são construídas como uma teleobjetiva invertida. Não é aconselhável utilizá-la na fotografia de retratos. O primeiro plano parece muito destacado do segundo, que parece mais distante do que realmente é.

Normal (50 mm) - Geralmente é a que possui a maior abertura de todas as objetivas, 1,4~1,8, e é a mais barata. Abrange um campo de mais ou menos 45°. É a base de qualquer conjunto fotográfico. Normalmente é a que acompanha a câmera, na compra de uma. É a que dá a melhor relação entre os tamanhos do primeiro e segundo plano.

Teleobjetiva (de 50mm a 500 mm) - É uma objetiva de grande distância focal. É utilizada para fotografias cujos motivos encontram-se longe. Com abertura máxima em torno de 2,8~5,6 e campo de 25°~5°, dependendo do modelo. O segundo plano parece maior ou mais próximo numa fotografia tirada com uma teleobjetiva.

Super teleobjetiva (acima de 500 mm) - Oferecem uma abertura muito pequena e um campo de visão muito estreito. Muito parecida com as construções de lunetas astronômicas, são muito caras e pouco usadas.

Objetivas especiais - São as que sofreram alguma alteração para corrigir certos espectros da luz. Também há as alterações propositais para realçar ou eliminar detalhes de uma imagem, como a focagem suave. Vamos colocar nesse grupo as objetivas olho-de-peixe, as macros e as descentráveis.

Zoom - Esta objetiva permite variar a distância focal dentro de um certo limite, sem prejudicar a focagem e a abertura. Possuem a vantagem de substituir várias objetivas, dentro da gama de atuação (ex.:70-200mm), e a desvantagem de possuir uma abertura máxima muito pequena, raramente chega a f4,0.

Escolha as objetivas de 24mm, 50mm,105mm e a de 200 ou 300mm para o modelo que usa filme 135. Para as câmeras que usam filme 120 no formato 6x4,5 escolha essas objetivas: 35mm, 80mm, 150mm e 300mm. Lembre-se de escolher pela maior abertura disponível ( F2~2,8 ), não pelo preço. As mais baratas são as que possuem a menor abertura máxima.

Acessórios

Depois de escolhida e comprada a câmera fotográfica, vamos aos acessórios. Há uma infinidade de acessórios e equipamentos para se usar na fotografia e com a câmera fotográfica. Mas, vamos listar apenas os principais e os mais importantes.

Flash: Muitas câmeras já vêm com um pequeno flash embutido. Para fotografias em que o motivo se encontra a pequena distância (até 5m) da máquina é o suficiente. Contudo é necessário um flash, ou dois, com boa potência de iluminação. Através do catálogo é possível saber da sua potência, veja na tabela de números guias (no manual do flash) um que ilumine no mínimo 15 metros, para uma lente de 50mm em F2 e filme de 100ASA. Adquira, também, cabos e multi-terminais para disparar mais de um flash simultaneamente, ou sincronizadores ópticos.
 
Tripé: Muitas fotografias feitas com baixa velocidade de obturação e em ambientes de pouca iluminação necessitam de um apoio rígido e estável para que as fotos não saiam tremidas. Um tripé deve ser escolhido com muito cuidado, pois dele dependerá a estabilidade durante a exposição do filme. Escolha um com altura máxima entre 150~200 cm, com controles suaves, com discos graduados em inclinação e rotação, com medidor de nivelamento (bolha d'água) e um acabamento sólido, sem folgas nas juntas. Um tripé profissional pesa pelo menos 3kg. Há os de fibra de carbono, usado nos carros de F1, mas são caríssimos, apesar de serem leves, muito leves.

Bolsa ou caixa: Para guardar seu equipamento é necessário uma bolsa ou uma caixa de alumínio que dê uma boa proteção durante o transporte e contra a poeira. Escolha uma bolsa que caiba, além da câmera, mais duas lentes, o flash, os filtros, os filmes e outros acessórios de que necessite transportar.

Fotômetro: Nosso olho não conseguem medir corretamente a luz incidente sobre o motivo e consequentemente não conseguimos fazer o cálculo da exposição correta para determinada abertura. Muitas máquinas possuem um fotômetro embutido, mas não é tão preciso como o de mão. Muitos modelos oferecem o recurso de memorizar as medidas e fornecer uma média para que o filme capte o máximo de detalhes, tanto das sombras como das áreas iluminadas.

Filtros: Tenha pelo menos estes filtros: PL (polarizador de luz) ou Circular PL se sua câmera for do tipo AF; UV (ultravioleta); ND4 e ND8 ( densidade neutra); Half ND4; Green Enhancer (para realçar os tons verdes); Blue Enhancer ( para realçar os tons azuis); Red Enhancer (para realçar os tons vermelhos); Softon (foco suave); Cross (cruz ou estrela nos pontos luminosos). Outros filtros podem ser adquiridos conforme a necessidade do fotógrafo. Se achar muito dispendioso ter todos esses filtros, então, compre somente os três primeiros. Os filtros Green Enhancer, Blue Enhancer e Red
Enhancer não são coloridos, eles são transparentes e levemente esverdeados, como um vidro bem espesso, eles não filtram a cores (como os coloridos) mas intensificam as cores para a qual foram desenvolvidos, sem alterar substancialmente as outras cores.

Refletores de luz: Um disco branco, de pelo menos 70cm de diâmetro, para eliminar sombras nos retratos ao ar livre. Para usar o refletor você precisará de um ajudante, ou um suporte. Bem, poderia listar mais acessórios, mas vamos ficar só nesses. Se você não puder comprar todos, escolha o que lhe convém no momento.

Abertura x Tempo de exposição

Um filme precisa da quantidade certa de luz para registrar com perfeição uma imagem . Um erro pode resultar numa foto subexposta ou sobrexposta, com perda de detalhes e nitidez.

Podemos controlar essa "quantidade de luz" através da abertura da objetiva e do tempo de exposição. Pode-se escolher uma abertura fixa e variar o tempo de exposição ou escolher um tempo fixo e variar a abertura focal, conforme a incidência de luz do local, cena, ou motivo a ser fotografado.

Quando aumentamos a abertura da objetiva, devemos diminuir o tempo de exposição. Quando aumentamos o tempo de exposição, devemos diminuir a abertura da objetiva.

Muitas câmeras SLR possuem comandos que controlam o tempo de exposição e a abertura da objetiva. Em outras só dá para controlar, manualmente, a abertura do diafragma.

Esses comandos variam conforme o modelo e o fabricante da máquina. Leia o manual da sua câmera para saber onde se encontram esses comandos.

Quando se escolhe entre a abertura ou o tempo, geralmente, tem-se em mente o tipo de foto que gostaríamos de ver impresso no papel. A variação da abertura ou do tempo pode modificar radicalmente uma foto. Veja o uso de cada um, abaixo:

Abertura ( F ) : quando se quer enfatizar a profundidade de campo. Fotos de paisagens panorâmicas; close-up de pessoas ou objetos, animais, plantas; etc.

Tempo de exp. ( T ) : quando se quer dar ênfase ao movimento ou ação do motivo (congelando ou modificando). Fotos de esportes; águas correntes; luzes noturnas; etc.

A relação de abertura com profundidade de campo é descrito nas linhas abaixo, assim como o tempo e o movimento. Entre os dois sub-capítulos, um resumo sobre a iluminação e suas variações. 

Profundidade de campo

Você já deve ter reparado que certas fotografias saem bem nítidas e outras com o fundo meio desfocado. Isso quer dizer que a primeira possui uma grande profundidade de campo e a outra uma pequena profundidade de campo. 

A profundidade de campo é uma relação entre a abertura e a distância focal da objetiva, e a distância do objeto a ser fotografado, Quanto maior a abertura, a distância focal e a distância do objeto menor a profundidade de campo, além disso a velocidade do obturador deve ser proporcional à quantidade de luz que passará pela abertura do diafragma.

Para grandes profundidades de campo usa-se aberturas pequenas (F16~F32), exposições mais lentas e o motivo principal deve estar longe da câmera.

Para pequenas profundidades de campo utiliza-se grandes aberturas (F1,4~F8), exposições mais rápidas e o motivo principal deve estar perto da câmera, de modo geral as teleobjetivas apresentam menores profundidades de campo.

Com a pequena profundidade de campo podemos eliminar detalhes, simplificar
uma cena, dar ênfase ao motivo principal.

Lembre-se nem sempre o que você vê no visor de sua câmera é o que será registrado pelo filme, pois você está vendo a cena com a objetiva na abertura máxima. O diafragma somente reduzirá a abertura logo após o disparo, momentos antes do filme ser exposto.

É difícil saber como será a foto, por isso tire várias fotos com aberturas diferentes e diferentes distâncias do motivo. Uma cena com grande profundidade de campo poderá não ter o mesmo impacto de uma de pequena profundidade. de campo.

Iluminação

Uma boa fotografia também, depende de uma boa fonte luminosa, esta pode ser natural ou artificial.

O Sol é a nossa principal fonte de luz natural. A Lua, também, pode ser usada como fonte de luz para as fotografias noturnas, em que a silhueta do motivo, e a própria Lua, sejam o tema principal. As estrelas, os planetas e nebulosas, são as fontes luminosas para a fotografia astronômica.

As lâmpadas elétricas (tungstênio, fluorescente, quartzo, etc.); o flash; lampiões a gás e querosene; velas; tochas e todo gênero de luz que pode ser produzido pelas mãos humanas, são fontes de luz artificial. Nem toda iluminação artificial se presta à fotografia.

A cor da luz é muito importante para a fotografia. As cores da luz variam do vermelho ao violeta e cada cor possui um comprimento de onda, medido em nanometros (nm). Essa medida é muito utilizada na óptica (para a fabricação de lentes, filtros) e na astronomia. Na fotografia, o que interessa é a cor em si, dada em kelvin (K). Utiliza-se, na fotografia, a luz cuja cor varia do laranja ao branco, ou seja de 3200°K à 5400°K.

Em ambos os casos podemos classificar a iluminação em: dura ou suave.

Num dia sem nuvens o Sol produz uma luz dura e direta, projetando sombras que contrastam com as zonas iluminadas. O contorno da imagem de um modelo parece ser bruscamente limitado pelas áreas claras e escuras. Os refletores com lâmpadas e o flash também produzem uma iluminação dura, quando projetados diretamente sobre o modelo.

Utiliza-se as iluminação dura para dar contraste e textura ao motivo. Exemplo: a fachada de uma casa branca iluminada pelo Sol, obliquamente, produzirá sombras que podem dar a diferença entre uma foto toda branca e "chapada" de outra rica em zonas claras e escuras que parecem saltar para fora da fotografia.

A iluminação suave é aquela que ilumina por igual uma cena, de todos os lados, sem produzir sombras ou modificar o contraste entre as zonas claras e escuras do motivo. Um dia nublado, com nuvens claras, produz uma iluminação suave. A luz indireta do flash ou lâmpada refletida num teto branco de uma casa ou num anteparo branco, também, produz uma luz suave.

A iluminação suave pode ser utilizada na hora de tirar retratos de pessoas e grupos, pois a luz indireta torna o semblante, das pessoas, menos sisudo e menos contrastante. Você já reparou nas fotos em que as pessoas estão de frente para o Sol? Parece que elas estão bravas, com a testa franzida, devido à luz intensa. Ou será que elas não gostam do fotógrafo?

Nem por isso uma iluminação tem vantagens ou desvantagens sobre a outra. Os dois tipos de iluminação deve ser explorado pelo fotógrafo, pois cada tipo de fotografia, cada situação, dependerá da habilidade dele para se obter uma boa foto, com um bom efeito.

Movimento

Na parte anterior falamos sobre a abertura focal (F) e seu uso. Agora vamos falar sobre as velocidades de obturação ou tempo de exposição (T) a que são submetidos os filmes.

Muitas câmeras SLR (Reflex) possuem um controle manual de exposição e outras são automáticas. Veja se sua câmera possui um dial com esses números: 2, 1, B, 2, 4, 8, 15, 30, 60, 125, 250, 500, 1000, AE. Os n.º anteriores a B são em segundos e os posteriores em frações de segundos. A letra B, ou "bulb", mantém o obturador aberto por quanto tempo for necessário, com o auxílio de um cabo disparador. As letras AE, automatic exposure, indica que a máquina calculará o tempo de exposição automaticamente, conforme a abertura focal e a luz ambiente.

Os fotógrafos de atividades esportivas preferem dar maior importância ao tempo de exposição, mantendo o diafragma da objetiva aberto ao máximo. Com isso eles conseguem disparar com grandes velocidades, acima de 500 ou 1/500 . Não é porque eles querem isso, é porque o tipo de fotografia exige grandes velocidades e filmes ultra-sensíveis. Além disso, as fotos não podem sair borradas ou confusas pelo movimento rápido dos atletas ou objetos.

A vantagem das velocidades altas é que podemos fazer o tempo parar ( sem o uso da lei da Relatividade de Einstein). Experimente tirar uma foto de uma cachoeira ou cascata, tire uma foto com 1/4 e outra com 1/1000, depois compare os resultados; ou peça para alguém jogar um monte de pedrinhas para o alto e tire uma foto em 1/1000.

Nas velocidades mais lentas podemos fazer uma foto transmitir movimento, porém teremos que usar um tripé, ou de velocidade (Panning). Para isso será necessário acompanhar, com a câmera, o motivo durante a exposição com esta técnica o fundo ganha movimento e o objeto principal fica nítido. 

Fotografando

Como a maioria das pessoas que estudam ou trabalham, não dispõem de muito tempo para dedicar à fotografia, não variam em outras áreas além dos retratos e da Natureza, porém, a maioria dos elementos que precisamos para compor a fotografia está à nossa mão.

Para podermos tirar o melhor proveito desse tipo de fotografia, segue abaixo um pequeno resumo e truques de cada uma das duas áreas.

Quando passeamos por lugares turísticos, onde a paisagem deixa qualquer um de boca aberta, logo pensamos em tirar uma belíssima foto. Mas quando recebemos as fotos reveladas, temos uma decepção: a beleza da paisagem sumiu. Isso já aconteceu com você? Tenho certeza que sim. Comigo já aconteceu diversas vezes.

É preciso certos cuidados quando for fotografar a Natureza, principalmente fotos de paisagens e panoramas. Veja a seguir algumas regras que irão te ajudar numa futura fotografia:

·
  Dê preferência para os filmes de 50 ou 100 ASA.
·  Use aberturas pequenas: entre F16 ~ F32.
·  Veja se as lentes da objetiva estão limpas.
·  Verifique se a velocidade de disparo é o suficiente para a abertura escolhida.
·  Ajuste o foco de acordo com a distância do motivo principal.
·  Utilize um tripé bem robusto.
·  Use um cabo disparador.
·  Utilize um filtro UV ou um PL.
·  Nunca tire uma fotografia com o Sol à sua frente. O Sol tem que estar atrás de você.
·  Carregue uma bússola.
·  Se estiver ventando, espere.
·  Escolha uma paisagem com primeiro e segundo plano, ou com algo que chame a atenção.
·  Verifique se as condições do tempo não irão atrapalhar.
·  Postes e fiações elétricas prejudicam qualquer fotografia de paisagens.
·  Verifique se os elementos humanos e artificiais estão em harmonia com a paisagem.
·  Mude o ponto de vista ou se desloque para um outro local.
·  Não utilize objetivas grande-angulares quando o motivo estiver muito distante.

Truques e efeitos:

Cachoeiras: Obtém-se boas fotos com velocidades baixas e pequenas aberturas. Experimente T=1/2 e F=22. Nesse caso tem-se o efeito de que as águas tornaram-se fios de seda. Com T=1/1000 e F=4 registramos os pingos e respingos e a granulação da água. Esses efeitos valem para rios e riachos de água corrente.

Pôr-do-Sol: Espere por um dia em que a neblina ou umidade da tarde seja mais espessa, pois ela absorve as cores azul e verde da luz, transmitindo apenas o vermelho. Para tirar a fotografia de uma silhueta com o Sol bem grande por detrás: utilize uma teleobjetiva de pelo menos 300 mm ou mais, coloque o modelo bem longe, ou mais de 200 metros. Foque no modelo e espere pelo momento em que o Sol se aproxime dele, quase na linha do horizonte. Utilize aberturas pequenas. A mesma técnica vale para a Lua, mas com aberturas grandes ou máximas. As teleobjetivas aumentam o tamanho dos objetos que estão no segundo plano, bem longe do motivo principal que está no primeiro plano.

Raios e relâmpagos: Coloque a câmera num tripé e selecione a abertura máxima da objetiva e B (bulb) no seletor de velocidades. Dispare com a ajuda de um cabo disparador, abrindo o obturador pouco antes do raio. Lembre-se, somente tire esse tipo de foto durante uma noite bem escura e nunca faça exposições muito longas, use filme de 400 ASA.

Panorâmicas: Utilize objetivas grande-angulares. Selecione a abertura entre F16~F32 e foque no infinito. Utilize um filtro PL para dar maior contraste no azul do céu, girando o anel até que, pelo visor da câmera, você note o escurecimento dele, sempre com o Sol às suas costas. Se estiver com um pouco de neblina, devido à umidade do ar, substitua o filtro PL por um UV. Se o motivo a ser fotografado estiver muito distante (montanhas, serras), poderá desaparecer com uma objetiva grande-angular, então, substitua por uma normal e tire fotos em seqüência com a ajuda de um tripé com discos graduados, bata uma foto e desloque 40° para a direita (ou esquerda) e bata outra foto, repita a seqüência, sempre com uma parte da imagem anterior num dos cantos do visor. Como o ângulo de visão de uma objetiva normal é de aproximadamente 43°, 5 fotos dão uma panorâmica de aprox. 200°. Depois você poderá montar as fotos no computador, utilizando o Photoshop e imprimir com uma impressora de boa resolução ou num birô. Faça a aquisição da imagem no scaner com pelo menos 300dpi.

Flores: Utilize uma objetiva com focagem macro ou um filtro de close-up, prefira as luzes indiretas e suaves, sem sombras.

Animais: Preencha todo o visor com o corpo inteiro ou com um classe da face do animal a ser fotografado, utilizando uma semi-teleobjetiva, ou uma lente zoom de 50~105mm. Caso seja um animal selvagem, tire fotos disparadas em seqüência (com a ajuda de um motor-drive) da ação dele. Use uma câmera que faça pouco ruído ao disparar e ao enrolar o filme.

Fotografando pessoas

Os familiares, parentes e amigos são as primeiras pessoas que fotografamos quando compramos nossa primeira câmera fotográfica. Além de serem nossos modelos permanentes, estão sempre por perto.

Muitas vezes, numa fotografia, cometemos o erro de cortar as cabeças e os pés das pessoas; outras vezes tiramos uma foto num momento inoportuno, como num bocejo do modelo. Se verificarmos todas as fotos que tiramos ao ar livre, veremos que muitas delas as pessoas aparecem de testa franzida e olhos quase fechados, mostrando uma feição de desconforto com a luz incidente no local. Outra fotos aparecem sombras intensamente escuras e as apartes iluminadas parecem que estão plastificadas.

A iluminação é muito importante na fotografia de pessoas, não somente a iluminação natural, mas a artificial também.

Fotografar pessoas pode ser um bom exercício para muitos fotógrafos amadores, pois esse tipo de fotografia oferece uma infinidade de opções e derivações, além disso, pode-se, no futuro, ganhar um dinheiro extra fotografando casamentos, álbuns de aniversário, books de modelos, etc.

Neste tipo de fotografia deve-se explorar as feições da face humana, as ações, os gestos e a espontaneidade de cada movimento. Recomendo a utilização de uma câmera dotada de motor-drive para as fotos tiradas em seqüência durante o movimento do modelo.

Abaixo segue uma lista de regras a ser seguida na fotografia de pessoas, essas regras não são rígidas, podem ser modificadas conforme o seu critério.

·  Utilize filmes de 100 ASA.
·  Nunca use objetivas grande angulares.
·  Prefira fotografar com o modelo na sombra.
·  Na luz do Sol, utilize um refletor branco para suavizar as sombras.
·  Nos closes, utilize um filtro Softon (fraco ou forte).
·  Se o fundo for mais iluminado que o modelo, utilize o flash.
·  Coloque um pedaço grande de papel vegetal na frente do flash, + ou -10cm de distância.
·  Ou jogue a luz do flash para cima e reflita-a com um cartão branco inclinado a 45°.
·  No estúdio ou interiores, utilize mais de uma fonte de iluminação ou flash.
·  Não deixe o modelo desconfortável ou desnatural na frente da objetiva.
·  Mude de ponto de vista, sempre.

Muitas pessoas não gostam de serem fotografadas ou são tímidas, nesse caso é preciso conversar, convencer e demonstrar confiança para que o trabalho não se perca. Outras pessoas são extrovertidas e exibicionistas, gostam de serem fotografadas. Mas a questão é que muitas pessoas se acham pouco fotogênicas ou feias.

Na fotografia não existem pessoas não fotogênicas. Tudo depende da habilidade e da vista do fotógrafo para se obter um bom resultado.

Abaixo segue algumas dicas e truques para obter uma boa foto de pessoas

Retratos do rosto: Use uma teleobjetiva e procure focar nos olhos do modelo, use uma iluminação suave e um fundo adequado. Coloque a câmera num tripé e dispare com um cabo disparador, depois de focar corretamente. Faça o modelo se descontrair e mostrar diferentes expressões faciais. Quando for tirar foto lateralmente ao rosto do modelo, peça para não olhar para a câmera, nem virar os olhos para os cantos, mas sempre olhar para a frente ou para alguma coisa num local diferente da que você se encontra. Experimente colocar o flash a mais ou menos 2 metros da câmera (na mesma linha) usando um cabo de sincronização longo e fotografe o modelo de frente, num fundo preto ou escuro, dirigindo o flash para o seu rosto. Depois experimente colocar mais um flash (sincronizado com o primeiro) atrás do modelo, de modo que a câmera não o "veja", e dispare. Use, também, refletores brancos colocado do lado do
modelo.

Retratos de modelos: Coloque a(o) modelo num local bem iluminado e com um fundo adequado. Utilize uma, pequena profundidade de campo, tire fotos do rosto, meio corpo e corpo inteiro. Peça, incentive, ela/ela a se movimentar e fazer diversas expressões faciais, mas atenção, verifique constantemente o foco e a posição da modelo no visor. Ao ar livre rebatedores brancos para suavizar as sombras e diminuir o contraste são bem vindos.

Grupos: Procure deixar as pessoas mais unidas, se possível, se forem muitas coloque em fileiras, sentados na frente e os de trás em pé. Enquadre as pessoas de modo que não sobre muito espaço no visor. Peça para elas olharem para um ponto em comum à frente delas. Fotos noturnas de grupos ficam muito boas se tiverem as luzes de uma cidade ao fundo. Coloque a câmera num tripé, peça para as pessoas não se movimentarem durante a exposição, abra ao máximo o diafragma da objetiva e dê pelo menos 5~10 segundos de exposição. Se sua máquina não tem sincronismo retardado de disparo de flash (o flash dispara antes do obturador fechar e não ao abrir), então dispare-o manualmente no final da exposição.

Bebês: Procure não dirigir o flash diretamente para o rosto do bebê aponte o flash para cima e reflita a luz num cartão branco inclinado a 45° e colocado logo acima do flash, ou reflita a luz num teto branco.

Crianças: Elas se sentem mais a vontade com os brinquedos preferidos ou com as pessoas mais chegadas. Elas, também, se irritam facilmente com as exigências do fotógrafo. Procure, antes de tudo, conquistar a simpatia delas. As crianças são espontâneas por natureza, aproveite essa qualidade para tirar fotos em seqüência.

Animais de estimação: É imprescindível que o dono esteja por perto, para deixar o animal calmo. Dê para o animal algum petisco para deixá-lo calmo, se sua presença o irrita. Lembre-se: o dono do animal é quem deve de dar ordens, você só pede para o dono o que deseja do bicho.

Bem, depois de todas estas dicas, basta passar a mão na máquina e sair fotografando por ai, lembre-se a prática leva à perfeição.

Boas fotos!

Reportagem: Yoko Nakamura