Dicas para aproveitar melhor suas viagens de trem - 08/02

Voltar

Não pague a mais pela classe executiva
A primeira classe do trem não equivale à do avião. Apesar de possuir assentos mais largos e maior espaço para esticar as pernas, um bilhete de primeira classe pode custar 60% mais caro que um bilhete de segunda o que vale a pena!

Em alguns trens de alta velocidade ou de grandes distâncias, as refeições estão incluídas para quem viaja na primeira - mas podem ir de um lanche a um prato com vinho e sobremesa, caso do Eurostar de Londres a Paris .

Faça as contas para poupar dinheiro
O preço de um bilhete de trem pode ser mais salgado do que o de avião. Coloque na conta os extras. (Reservas, US$ 10 por trecho; taxas adicionais para trens de alta velocidade, de US$ 8 a US$ 30; ou para trem-leito, de US$ 11 a US$ 150.)
Não é raro encontrar as tarifas aéreas mais baratas do que as ferroviárias. Sem falar dos passes aéreos para estrangeiros e as tarifas de empresas como Go (www.go.com), Southwest (www.southwest.com) e EasyJet (www.easyjet.com), que não servem lanches nem drinques. É preciso ter em mente que ao contrário dos aeroportos, as estações ficam em regiões centrais - uma economia e tanto com táxi e ônibus. Portanto, o ideal é pesquisar sempre a opção mais em conta. 

Descubra se o sistema de trem funciona bem
Vale a pena verificar pois nada é pior do que sacolejar em um vagão lotado e capenga. Caso da Índia, por exemplo. Ali, apesar de o trem ser o principal meio de transporte, a superlotação e os atrasos são recorrentes.
O mesmo acontece na América do Sul que, para piorar, ainda não apresenta linhas férreas integradas. Por outro lado, nos Estados Unidos, no Canadá, na Austrália e no Japão, andar de trem é prático e fácil. Na Europa, coberta por mais de 200 000 quilômetros de ferrovias, que interligam 27 países e 100 000 destinos, os trens também são uma ótima opção.
Alguns países são melhores que outros: enquanto na França e na Alemanha, o passageiro pode se deslocar de um lado para o outro em locomotivas de última geração, em Portugal e na Grécia, a viagem é feita em carros lentos e antigos, que não cobrem todo o território; na Espanha, faltam linhas diretas entre lugares próximos; e no Leste Europeu, as bitolas diferentes obrigam o passageiro a fazer várias baldeações no percurso
.

Cuidado na escolha do vagão
Esteja atento ao vagão que ocupar. É que, principalmente na Europa, muitas composições se dividem no meio do caminho, cada uma seguindo um rumo diferente, e você pode acabar na cidade errada. Foi o que aconteceu com uma amiga que, ao viajar da França para a Espanha acompanhada de uma outra amiga. "Enquanto levantei para ir ao banheiro, a composição se separou", diz. "Fui encontrar minha amiga bem mais tarde, no albergue."
Outra coisa importante é verificar se o trem é para fumantes ou não fumantes.Certa vez na Espanha, esqueci de verificar e viajei num vagão para fumantes...nossa, é impressionante, parecia um trem a vapor movido à cigarros!

Evite as refeições a bordo
Comer no trem custa caro. É por isso que tanta gente passa antes no supermercado e se abastece de lanches e bebidas. Por outro lado, há quem não abra mão de almoçar ou jantar romanticamente em um trem, enquanto acompanha a mudança da paisagem pela janela. Dependendo do trajeto, há desde carrinhos para comprar salgados e doces até vagão-restaurante que serve lagosta e vinhos da melhor qualidade. Em algumas linhas, a refeição está incluída no bilhete da primeira classe. E, por mais que os europeus torçam o nariz para os fast-food, Big Macs e McChickens já invadiram os trilhos. Há vagões McDonald's instalados em trens como o que faz a rota de Genebra a Zurique!

Use passes em viagens longas
Se você fizer mais de quatro trechos e se os destinos forem bem distantes uns dos outros, os passes de trem compensam. A economia pode chegar a 20% sobre o preço do bilhete unitário.
O raciocínio inverso é igualmente válido: se fizer poucas viagens de trem, ou se elas forem muito curtas, compre as passagens separadamente para cada trecho.
Há outras vantagens importantes para quem compra esses bilhetes especiais. Eles garantem, por exemplo, descontos em hotéis, ônibus, metrô, travessias marítimas e city-tours. Com o Eurailpass você ganha bônus de 60% no ônibus que faz a Rota Romântica, na Alemanha; de até 30% nas diárias dos hotéis da Rede Hilton; de 30% no preço da travessia de barco entre a Itália e a Grécia e tarifas especiais para aluguel de carros da Hertz.

Não perca de vista as suas malas
Estatísticas mostram que a possibilidade de ocorrer um acidente sobre os trilhos é 42,4% menor do que nas rodovias. Dentro dos vagões, porém, os incidentes acontecem com maior freqüência. São basicamente casos de furto. Como o entra-e-sai é constante, não descuide de seu dinheiro e de seus documentos. Ao dormir com estranhos, mantenha a bagagem por perto. Existem seguros que dão cobertura exclusivamente durante a viagem de trem e custam a partir de US$ 5.

Durma a bordo para economizar tempo
Ao contrário do que todo mundo pensa, dormir no trem não significa poupar dinheiro. Mesmo que você use um passe, sempre é cobrado um adicional para passar a noite a bordo - em média, US$ 11, em poltronas; US$ 20, nos vagões-dormitórios (preço da diária num albergue); e US$ 80 nas cabines privativas (quase o valor da diária de um hotel três-estrelas!).
A grande vantagem de dormir no trem, porém, é poupar tempo. Enquanto você sonha, avança algumas centenas de quilômetros e chega descansado para curtir o dia seguinte

Leve pouca bagagem
Nos Estados Unidos, os passageiros podem embarcar com até três malas de 23 quilos cada. No Canadá, com duas de 26 quilos. Na Europa, não há limite. Com poucas exceções: no Eurostar (França, Bélgica, Inglaterra e Itália), por exemplo, são permitidas duas malas e uma de mão. A tendência é abusar. Atenção: os vagões têm lugar limitado. Assim, quando os compartimentos estão ocupados, deve-se procurar outro carro - e rezar para ninguém sumir com seus pertences. Além do mais, como cada passageiro carrega as próprias coisas, quanto mais bagagem, mais difícil
o deslocamento: os corredores são estreitos e nem sempre há funcionários para ajudar.

Cheque a hora para não perder o trem
Quanto mais desenvolvido o lugar, maior a pontualidade do sistema ferroviário. Em países como Índia, Tailândia e China, há boa probabilidade de atraso. Mas na Europa, os trens são extremamente pontuais, adotando horários quebrados e cumprindo-os à risca. Nem as condições climáticas impedem o compromisso. Por isso, é bom chegar à estação com vinte minutos de antecedência e não bobear durante as paradas nas estações - até porque, quando se perde o trem, não há devolução do valor da reserva, cobrada principalmente nas composições de alta velocidade.

 Aposte nos mais novos
Os trens antigos costumam ter assentos mais duros e banheiros menores - além de serem mais barulhentos e balançarem mais. Já as versões modernas exibem um ajuste automático da poltrona, que é mais larga do que a da classe econômica dos aviões e com muito mais espaço para esticar as pernas. Alguns trens novos têm telefone público, serviço de fax, telas individuais de vídeo, tomada para laptop, máquinas automáticas de café expresso e até chuveiro nas cabines, caso do espanhol Talgo. Enquanto isso, o lendário Orient Express, apesar de reformado, não oferece aos passageiros a comodidade de um banho a bordo - a higiene tem de ser feita em uma trivial pia de banheiro.

Tire todos os vistos
Se precisar atravessar um país para chegar ao seu destino final, providencie o visto, mesmo que não pretenda ficar ali mais do que cinco minutos. Muita gente foi posta para fora do trem por falta do documento. Há outros cuidados importantes em uma viagem. Por exemplo: fazer reserva na alta temporada.

Fique de olho nas promoções para estudantes e idosos
Há diversos descontos no preço de passagens avulsas e nos passes para passageiros
especiais. Nos Estados Unidos, por exemplo, quem tiver mais de 62 anos ou a carteira de estudante local e viajar com a Amtrak, a principal empresa ferroviária do país, paga 15% a menos. No Canadá, maiores de 60 anos têm entre 15% e 20% de abatimento e jovens com carteira internacional, 25%. Na Europa, há passes mais baratos para menores de 26 anos (a economia supera 40%), que viajarem de segunda classe. Com o BritRail, válido para a Grã-Bretanha, maiores de 60 anos pagam 20% a menos e estudantes, 25%. Crianças também ganham vantagens, que variam da cortesia para os muito pequenos à meia tarifa. Os descontos valem para quem comprar os bilhetes no Brasil.

Experimente as marias-fumaças
Há diversas locomotivas a vapor fazendo trajetos curtos em todo o Brasil. Elas ligam cidades como Campinas e Jaguariúna, em São Paulo (Tel.: 19/ 3207-3637); São Lourenço e Soledade de Minas (Tel.: 35/ 3332-3011), e São João del Rey e Tiradentes (Tel.: 32/ 3371-8485), em Minas Gerais; Bento Gonçalves e Carlos Barbosa (Tel.: 54/ 451-2788), no Rio Grande do Sul; Tubarão e Imbituba, no verão, e Urussanga, no inverno (Tel.: 48/ 622-0091), e Rio Negrinho e Rio Natal, em Santa Catarina (Tel.: 47/ 633-6726). Com equipamento moderno, há os trechos Curitiba a Paranaguá (Tel.: 41/ 323-4007); Pindamonhangaba a Campos do Jordão (Tel.: 12/
243-2233) e Belo Horizonte a Vitória (Tel.: 31/ 3279-4389). Em Pernambuco, veja o Trem do Forró (Tel.: 81/ 3423-5000) que vai do Recife a Caruaru, com forrozeiros, em junho.

Conheça os expressos de sonho
Há viagens que são mais do que trajetos entre destinos. São a própria viagem. Algumas ganharam fama pelo glamour da locomotiva. Outras, pelos cenários espetaculares que atravessam. O exemplo dos exemplos? O Orient Express, que, na verdade, faz rotas pela Europa, percorrendo Paris, Londres, Veneza, Praga, Istambul etc. A empresa já estendeu os serviços para a Ásia (Cingapura, Tailândia e Malásia), Austrália (Sydney, Brisbane e Cairns) e Inglaterra. Há outros expressos como o Orient: os africanos Rovos Rail e Blue Train, o indiano Palácio sobre Rodas, o espanhol Al-Andalus Expreso (Interpoint, Tel.: 11/3081-9400 e Queensberry, Tel.: 11/ 255-0211), o canadense Rocky Mountaineer (na GSA Tel.: 11/257-1177), os suíços Glacier e o Golden Pass, o austríaco Arlberg Line, os noruegueses Flam e Rauma e os italianos Bernina Express e Centovalli Railway (Carlson Wagonlit, Tel.: 11/3066-4381 e na Cit, Tel.: 11/257-0099).

 Matéria : Yoko Nakamura