Passeio pelo Egito - Nov/04

Voltar

Localizado no nordeste da África, o Egito é um grande deserto cortado pelo verde do Rio Nilo, cujas águas estão ligadas à rotina da população. As pirâmides de Quéops, Quéfren e Miquerinos são patrimônios da humanidade. Cairo é a capital do país, uma cidade com mil anos de cultura árabe. Hoje o país tem costumes ocidentalizados, as mulheres trabalham fora e a maior parte não usa véu para cobrir o rosto. Lá chove três dias por ano, o calor é intenso e quase toda a área disponível está coberta de areia.

Berço de uma das civilizações mais antigas do mundo, o Egito representa papel estratégico para a paz mundial no cenário contemporâneo do Oriente Médio. O Egito ocupa um território de forma retangular, situado no nordeste do continente africano, com uma área de 1.002.000km2, dos quais apenas 35.500km2 são habitáveis.

Limita-se ao norte com o mar Mediterrâneo, a oeste com a Líbia, ao sul com o Sudão, a leste com Israel, o golfo de Aqaba e o mar Vermelho. O mar Mediterrâneo banha as costas setentrionais, onde se abre o delta do Nilo; o mar Vermelho costeia o litoral oriental. O canal de Suez liga ambos os mares e separa a África da Ásia.

O território egípcio, situado ao norte de uma vasta região árida do continente africano, possui características de clima desértico, com chuvas escassas e consideráveis diferenças de temperatura entre o dia e a noite. O vento seco do deserto, o khamsin, sopra entre março e junho, provocando tempestades de poeira e areia. Esse vento se origina de correntes tropicais procedentes do sul e é determinado pelas influências do sistema de baixas pressões do Sudão.

O clima é biestacional. O inverno vai de novembro a março, e o verão de maio a setembro, separados por curtos períodos de transição. Os invernos são moderadamente frios. Em Alexandria, os limites máximo e mínimo de temperaturas médias são de 11 e 18o C, e em Assuã, de 10 e 23o C. A partir da costa mediterrânea até o sul, o clima é mais seco. As chuvas ocorrem principalmente nos meses de inverno. Em Alexandria, a média pluviométrica anual é de 178mm. Ao sul do delta as precipitações são mais escassas, e quase nulas no litoral do mar Vermelho. .

Malgrado a herança das antigas civilizações que ocuparam seu território, o Egito faz parte do mundo cultural árabe-islâmico. O estado promove a cultura por meio do Instituto do Egito, fundado em 1859, sobre a base de um instituto criado por Napoleão, e da Academia de Língua Árabe, fundada em 1932. Outras instituições, também sob administração do Ministério da Cultura, se dedicam ao fomento das artes, letras e ciências. Diversos museus conservam o rico patrimônio cultural legado pela antiga civilização.

A tradição árabe, com influências ocidentais e peculiaridades autóctones, determinaram as manifestações artísticas do Egito moderno. O campo da música, na segunda metade do século XX, recebeu incentivos governamentais com vistas a um retorno a suas raízes tradicionais. O estilo ocidental adaptado à personalidade egípcia marcou as composições de Yusuf Greiss e Abu Bakr Jariat. O retorno ao folclore se manifestou também nas demais artes, com destaque para a dança, a pintura e as atividades artesanais. Os temas melodramáticos e a mensagem nacionalista marcaram a produção cinematográfica egípcia. Após a nacionalização do cinema egípcio, em 1963, prevaleceu um estilo realista, orientado para os problemas sociais da vida no campo e do trabalhador urbano.

Passeios :
• As pirâmides de Quéops, Quéfren e Miquerinos.
• A Esfinge.
• Um cruzeiro pelo Rio Nilo. Utilize a felluca, tradicional veleiro egípcio.
• Uma visita ao Mar Vermelho, que possui mais de mil espécies de peixes e 450 tipos de corais.
• Os recifes do Estreito de Tirana.
• Parque Nacional Marinho de Ras Muhammad, onde se pode mergulhar.
• Os templos de Luxor e Karnak, para saber sobre o passado dos faraós
• Um passeio de camelo pelo deserto.
• O Vale dos Reis, com túmulos de 64 faraós
• A represa de Assuã
• Deir el-Bahri, monumento que abriga os restos da rainha Hatshepsut
• A capital Cairo.
• O museu do Cairo.

Estar nas pirâmides, sentir a grandiosidade da Esfinge, contemplar tudo aquilo ao vivo, caminhar sob o sol escaldante do deserto é uma meditação, um profundo auto-conhecimento, que vale por anos de análise.

Outros Links para Matérias na África:
-
África do Sul
- Marrocos

Reportagem: Marcelo Russo